`Oliveiras antigas queimam em incêndios na Jordânia

África / Oriente Médio

Oliveiras antigas queimam em incêndios na Jordânia

Jun. 1, 2020
Paolo DeAndreis

Notícias recentes

As oliveiras estão entre as mais danificadas por um número extraordinário de incêndios que atingem uma das regiões mais importantes da Jordânia para a silvicultura e produção de azeite.

Na província de Jerash, os agricultores acreditam que uma área de 6,000 dunum (quase 1,500 acres) já foi devastada.

Enquanto a destruição incluía laranjas, limões e outras frutas, muitas oliveiras seculares foram capturadas nas tempestades de fogo.

As autoridades locais estão trabalhando para conter os danos. Imad Al-Ayasrah, diretor da autoridade agrícola regional, observou que os procedimentos de contenção incluem aração de ervas secas, criação de zonas de controle de incêndio nas áreas mais densas da vegetação, implantação de um número maior de patrulhas locais e cooperação mais forte com todas as partes interessadas.

Al-Ayasrah alertou que as perdas são graves e não se limitam à temporada atual, principalmente porque muitos dos acres destruídos eram o lar de antigas árvores florestais, bem como oliveiras, amêndoas e outras frutas cuja produção pode levar muitos anos para se recuperar. .

Anúncios

Embora muitos incêndios ocorram acidentalmente devido a temperaturas acima do normal na região, Al-Ayasrah disse que alguns são causados ​​por negligência. Outras causas incluem a estação das chuvas em particular, que trouxe ervas daninhas espessas que se espalharam por quilômetros antes de serem rapidamente secas pelo sol.

As autoridades estão pedindo a todas as partes, das forças municipais aos agricultores locais, que se unam e sigam as instruções dos planos de prevenção de incêndio que foram elaborados para enfrentar a crise atual e enfrentar melhor os futuros incêndios.

Para os produtores locais, as tempestades de fogo representam um forte golpe logo após as perdas causadas pela interrupção das operações comerciais impostas pelo governo após a epidemia do COVID-19.



Notícias relacionadas