Bruxelas vai monitorizar os preços do azeite

Os países produtores de azeitonas estão mostrando sinais mistos em termos de preços e produção, apesar da relativa estabilidade do mercado, segundo um comissário da UE.

Foto cedida por Fred Romero
Abril 18, 2019
Por Rosa Gonzalez-Lamas
Foto cedida por Fred Romero

Notícias recentes

O Comissão Europeia irá monitorar preços do azeite nos países membros, como Espanha, onde diminuíram significativamente, apesar de uma produção bastante estável para a campanha olivícola 2018/19.

Phil Hogan, Comissário Europeu para a Agricultura e Desenvolvimento Rural, disse durante uma reunião no Luxemburgo que os países produtores de azeitona da União Européia estão mostrando sinais contraditórios em termos de preços e produção, apesar da relativa estabilidade do mercado.

Embora a nível da UE não haja sinais particulares de perturbações do mercado, o meu departamento acompanhará de perto a evolução a nível dos Estados-Membros nas próximas semanas.- Phil Hogan, Comissário Europeu para a Agricultura e o Desenvolvimento Rural

"Embora no nível da UE não haja sinais particulares de perturbações do mercado, meu departamento acompanhará de perto os desenvolvimentos no nível dos Estados-Membros nas próximas semanas ”, afirmou Hogan.

Exemplos disso são os altos preços do azeite Itália, causado por um baixo rendimento devido a clima difícil e Xylella fastidiosa, e os preços muito baixos encontrados na Espanha, um país que desfrutou de um muito boa campanha.

Veja também: Preços do Azeite

In Andaluzia, onde é produzida a grande maioria do azeite espanhol, alguns descreveram a campanha 2018/19 como atípica, com bons rendimentos em termos de volume, qualidade média e níveis mais baixos de extração, devido a uma proporção inadequada entre polpa e pele.

Esta situação deveu-se a um clima irregular ao longo da campanha, com episódios de chuva prematura e altas temperaturas durante o ciclo da azeitona. Conseqüentemente, havia uma falta de uniformidade no tamanho e maturação dos frutos, pelo que muitos frutos ainda não haviam produzido azeite no momento da colheita. Isso levou a um menor teor de gordura, menos intensos azeites extra virgens iniciais e dificuldades na hora da moagem que exigiu a adição de água à pasta e a consequente correção durante a extração.

Em janeiro, as estimativas divulgadas pela Comissão Europeia indicaram que os números de produção de azeite para a safra 2018/19 na União Europeia deveriam permanecer bastante estáveis ​​em 2.375 milhões de toneladas, apenas 1.4% abaixo do rendimento da campanha 2017/18.

Isso contrasta com o Redução de 5.5% na produção global de petrazeite previsto para 2018/19, de acordo com as estimativas fornecidas pelo Conselho Oleícola Internacional (COI) para Olive Oil Times. A Tunísia e a Argentina, com colheitas caindo entre 55 e 57 por cento, foram críticas nesse declínio.

Esperava-se que a Espanha representasse 75% da produção de azeitonas da União Europeia na temporada 2018/19 e mais de 50% da produção global. A Itália, o segundo maior produtor mundial de azeite, viu sua produção cair 38%. Grécia e Portugal também tiveram quedas de 35% e 20%, respectivamente.

Segundo estimativas da Comissão Europeia, a produção olivícola espanhola aumentou 26.6 por cento em 2018/19, altura em que a produção atingiu 1.76 milhão de toneladas, valor superior aos 1.39 milhão de toneladas do ano anterior. Este volume de produção permitiu à Espanha compensar as quedas de outros países produtores da União Europeia.

Luis Planas, Ministro da Agricultura, Pesca e Alimentação da Espanha, está em constante contato com a Comissão Europeia para acompanhar a evolução do mercado. Ele recomendou a autorregulação para garantir que os preços não caiam muito. Ele também pediu ao Organismo Interprofissional do Azeite Espanhol para desenvolver uma proposta abordando estratégias para lidar com a demanda e os preços do azeite, que será apresentada à Comissão Europeia.

A Planas está confiante de que essa autorregulação levará a um aumento de preços, evitando a necessidade de depender do armazenamento privado para controlar a oferta e a demanda, retirando do mercado as categorias de nível inferior para manter preços razoáveis. Actualmente, a azeitona tem um preço médio de 2.40 € o quilo e o Ministro espera que este não seja inferior a 1.78 €.

A última vez que o armazenamento privado foi permitido foi em 2012. O procedimento é uma decisão complicada e demorada que deve ser ratificada pela Comissão Europeia e alguns dos seus países membros.





Notícias relacionadas

Feedback / sugestões