`Queda no consumo de azeite de oliva na Europa atribuída aos problemas da colheita e aos preços mais altos - Olive Oil Times

Queda no Consumo de Azeite na Europa Atrapalhado por Crise na Colheita, Preços Mais Elevados

9 março, 2016
Erin Ridley

Notícias recentes

De acordo com relatório mais recente pelo Conselho Internacional da Azeite (COI), o consumo mundial de azeite aumentou 1.8 vezes desde 1990/1991, e os números provisórios revelam um aumento de 4.6% ao longo do ano passado.

Esse aumento no consumo se deve em grande parte aos países não membros do COI, cuja participação no consumo de azeite saltou de 11 por cento para 24 por cento durante o mesmo período do ano 25.

Registrando o maior aumento dentro desse grupo são os Estados Unidos, onde o consumo passou de 88,000 toneladas métricas em 1990/1991 para mais de 300,000 em 2015/2016. O consumo per capita dos EUA, no entanto, ainda permanece relativamente baixo, com 9 kg em 2014, uma quantidade equivalente a países como Canadá e Noruega, informou o COI.

No mesmo período, o consumo geral da UE - dominado pelos países produtores Espanha, Itália e Grécia - subiu levemente, atingindo máximos em 2004/2005, antes de cair constantemente.

A Grécia ainda lidera o pacote no consumo per capita anual de 12.8 kg em 2014 (seguido da Espanha com 11.4 kg e Itália com 10.5 kg), mas consome cerca de 50% menos em volume agora do que em 2004/2005.

Anúncios

Embora algumas das tendências da UE sejam em parte devidas a outros fatores (no caso da Grécia, a crise econômica), um provável contribuinte para as recentes quedas no consumo dos países produtores é a menor produção nas últimas safras e o resultado preços mais elevados.

Por exemplo, em 2005/2006 e 2014/2015, os dados mostram que a produção da UE caiu e os preços dispararam. A última dessas duas safras correlaciona-se com um ano de seca na Espanha e os efeitos de Xyllela fastidiosa na Itália, ambos claramente afetando a produção geral.

Os países não produtores da UE também estão consumindo um pouco mais em geral, embora a maioria desses países não consuma mais de 1 kg per capita anualmente.

Enquanto isso, o crescimento entre outros membros do COI, como Turquia, Marrocos e Argélia, tem sido notável (mais de nove vezes na Argélia), com consumo per capita para cada país situado abaixo de 4 kg anualmente.


Anúncios

Notícias relacionadas

Feedback / sugestões