Europa

Seis anos sem cura: as conseqüências contínuas da Xylella

Embora o corpo de pesquisas sobre Xylella fastidiosa tenha se expandido significativamente desde sua descoberta, o mesmo ocorre com a complexidade da doença. Sem cura à vista, os agricultores precisam aprender a se adaptar.

Setembro 12, 2019
Por Emily Brett

Notícias recentes

Seis anos desde que apareceu pela primeira vez, sem cura à vista, os produtores de azeitonas em toda a Europa estão aprendendo a viver com as consequências devastadoras da Xylella fastidiosa.

Xylella fastidiosa (Xf), uma bactéria vegetal Comissão Europeia rotulado como um dos mais perigosos do mundo, foi visto pela primeira vez na região de Apúlia, no sul da Itália, em 2013. Desde então, evidências de seu impacto foram descobertas na Espanha, França, Portugal e partes do Oriente Médio.

Os efeitos desse desastre nas famílias e empresas envolvidas são absolutamente devastadores. Séculos de história, cultura e tradições são destruídos.- Giovanni Melcarne, olivicultor de Lecce

Um porta-voz da Autoridade Europeia de Segurança e Alimentos (EFSA) disse que, embora o corpo de pesquisas sobre Xylella tenha se expandido significativamente desde sua descoberta, o mesmo ocorre com a complexidade da doença, que complicou os esforços de pesquisa em andamento na busca de uma cura.

Veja mais: Notícias do Xylella fastidiosa

A falta de cura fez contenção mais importante do que nunca, com simulações da EFSA indicando que os produtores que descobrem sinais de Xf devem tomar medidas imediatas.

"[É] essencial que as medidas fitossanitárias de emergência (incluindo o corte de plantas e o controle de vetores) sejam aplicadas oportuna e efetivamente na primeira detecção de um novo surto", disse o porta-voz. "Se apenas um desses elementos não for aplicado da maneira correta, torna-se muito difícil erradicar ou conter a doença".

Anúncios

Embora a EFSA continue a revisar novos estudos, incluindo alguns que oferecem resultados promissores para cultivares de plantas resistentes e tolerantes, não parece que a cura surgirá tão cedo, notícias que pouco fazem para incentivar produtores de azeite como Giovanni Melcarne, cuja família cultiva azeitonas na província italiana de Lecce há mais de 500 anos. Ele estima que Xylella destruiu pelo menos 80% de sua fazenda.

"Os efeitos desse desastre nas famílias e empresas envolvidas são absolutamente devastadores", disse Melcarne. "Séculos de história, cultura e tradições são destruídos."

Embora o governo italiano tenha liberado alguma legislação exigindo contenção, na maioria das vezes, eles foram recebidos com críticas e desconfiança.

Anúncios

O governo também foi condenado pelos agricultores e, principalmente, pelo Tribunal de Justiça Europeu por falta de ação e uma falha em parar a bactéria de avançar. Em Lecce, Melcarne diz que viu poucas ações governamentais eficazes.

"A política tem sido cega e lenta, incapaz de prever medidas adequadas para conter a propagação da bactéria", disse Melcarne. "Os olivicultores e os moleiros são deixados sozinhos neste desastre."

Anúncios

Enquanto o governo luta com a melhor forma de conter a crise, os produtores tentam desesperadamente minimizar suas perdas econômicas. Alguns estão trabalhando para plantar novas oliveiras, apesar dos obstáculos burocráticos que podem enfrentar. Outros, incluindo Melcarne, estão adaptando soluções mais imaginativas, como o desenvolvimento de novos produtos e o aluguel de casas de fazenda para turistas visitantes.

Quando Xylella começa a se estabelecer como a nova realidade, Melcarne continua certo de que a mudança só ocorrerá se os produtores aprenderem a adaptar os métodos propostos pelas pesquisas mais recentes, como as cultivares resistentes descritas pela EFSA. Sem isso, ele disse, há pouca esperança para a região.

"Um povo que é contra a ciência não tem futuro", disse Melcarne.