Cooperativas espanholas se reúnem em Córdoba

As principais cooperativas espanholas se reuniram no início desta semana para discutir os pontos fortes e fracos de sua colaboração, bem como a produção estimada.

Novembro 14, 2016
Por Alexis Kerner

Notícias recentes

As principais cooperativas espanholas se reuniram no início desta semana em Córdoba na reunião técnica das Cooperativas Agro-Alimentares da Andaluzia para discutir os pontos fortes e fracos de sua colaboração, bem como as estimativas de produção projetadas para o ano.

Durante a reunião, todos os representantes da cooperativa presentes concordaram que, para alcançar uma vantagem competitiva, eles devem unir forças e trabalhar em táticas para melhor gerenciar a cadeia de suprimentos e estratégias para comercializar seus produtos. Com isso, eles acreditam que estarão mais bem preparados para defender interesses e aumentar as vendas. No entanto, eles também admitiram que precisavam trabalhar na melhor forma de colaborar. Com mais cooperativas, vêm mais opiniões. Já houve algum desacordo e alguns membros foram perdidos.

As grandes cooperativas presentes durante as reuniões incluíram Dcoop, Jaencoop e NYIOOC vencedores do prêmio Almazaras de la Subbetica, Oleoestepa e a Olivar de Segura.

Álvaro Olavarría, diretor geral da Oleoestepa, aconselhou décadas de dedicação de sua empresa a alcançar altas capacidades de produção capazes de responder às demandas de exportação.

José Luis García, diretor geral da Olivar Segura, lembrou que é necessário continuar informando os consumidores sobre as características e variedades do azeite. o Interprofessional del Aceite de Oliva Español tem e continuará a trabalhar nesse objetivo com campanhas internacionais.

Juntas, essas cooperativas produzem perto de toneladas de azeite da 465,000 a cada ano, 37 por cento da produção nacional e 17 por cento do total global.

Cristóbal Gallego, representante das Cooperativas Agro-Alimentares de Azeite da Andaluzia e presidente da Federação de Córdoba, informou que a produção de azeite desta safra apresentou uma queda de 2 a 3 pontos em relação à campanha anterior.

Em seguida, confirmou as estimativas de produção da Andaluzia em cerca de 1,108,000 toneladas e uma média nacional entre 1,300,000 e 1,350,000 toneladas. Embora sejam um pouco curtos, ele destacou que esses números se enquadram no limite mínimo necessário para atender às demandas e garantir um mercado estável.

A produção mundial registrou uma queda de 7 por cento atribuída aos menores rendimentos na Itália, Grécia, Portugal, Tunísia, Síria e Marrocos. Com uma queda menor em relação à média mundial, Espanha e, mais ainda, Andaluzia encontrar-se-ão com uma vantagem exportadora nesta safra.



Notícias relacionadas

Feedback / sugestões