A new smart sys­tem for the bio-​acoustic iden­ti­fi­ca­tion of the olive fruit fly has been unveiled at a tech­nol­ogy con­fer­ence.

O sensor funciona comparando a frequência espectral da vibração do inseto e comparando-a com o padrão da mosca da azeitona.- Carmen Capiscol, Citoliva

The sys­tem, which was devel­oped by Citoliva and Inoleo, is com­prised of an opto-​electric fly sen­sor and com­mu­ni­ca­tion net­work. This allows data about Spain’s most pro­lific olive-​related pest to be gath­ered, syn­the­sized and eas­ily visu­al­ized on a smart­phone, tablet or com­puter.

"O sensor funciona comparando a frequência espectral da vibração do inseto e comparando-a com o padrão da mosca da azeitona", disse Carmen Capiscol, membro da equipe de pesquisa, desenvolvimento e inovação do Citoliva. "Então, decidir se é de fato a mosca da azeitona ou não."

Os dados dos sensores separados são coletados e enviados para a nuvem, onde são combinados com um sistema integrado de controle de pragas. Os dados de temperatura e tempo também são registrados e armazenados na ferramenta integrada de gerenciamento de pragas.

“With the data, a spa­tial deci­sion sup­port sys­tem iden­ti­fies when and where to start the sys­tem and acti­vates it,” Capiscol said. “When a fixed tem­per­a­ture thresh­old is crossed, the degree-​day growth is cal­cu­lated and esti­mates the time at which the first fly peak will appear.”

Os produtores de azeitona seriam capazes de identificar quando olive fruit fly está presente e reage de acordo. Os desenvolvedores do sistema acreditam que isso reduziria o consumo de energia envolvido no monitoramento da mosca e levaria a uma aplicação mais pragmática de medidas de controle de pragas.

O sensor seria colocado dentro de uma armadilha modificada de McPhail, um funil invertido com uma campainha transparente na parte superior. As moscas rastejam pelo funil e são atraídas pela combinação de luz e um feromônio, que é colocado na parte superior do sino transparente. Essa combinação mantém a mosca atraída até ficar sem energia e subseqüentemente se afogar em um prato de água com sabão colocado em cima do funil invertido.

Diferentemente das armadilhas McPhail tradicionais, que capturam indiscriminadamente moscas, essa especializada só se abria quando o sensor identificava a mosca que se aproximava como uma mosca de oliva.

Quando o sistema foi testado em laboratório no início deste ano, ele identificou corretamente a mosca da azeitona 91 por cento do tempo. O sistema então sintetizou corretamente e enviou os dados apropriados para a nuvem, 95 por cento do tempo.

A armadilha vem com um painel solar recarregável e, dependendo das condições climáticas, deve poder durar até 200 dias sem mudar. No entanto, o feromônio usado para atrair as moscas ainda precisaria ser alterado a cada 30 para 45 dias.

Capiscol disse que a implementação do sistema pode custar até € 600 por hectacre. Esse preço inclui três armadilhas (em cada hectacre), que duram aproximadamente cinco anos por peça.

O preço pode parecer proibitivo, mas o dano potencial da mosca da azeitona é muito pior, de acordo com o programa de Gerenciamento Integrado de Pragas da Universidade da Califórnia.

"Em áreas do mundo onde a mosca da azeitona é estabelecida e não controlada, seus danos foram responsáveis ​​por perdas de até 80 por cento do valor do petrazeite, devido à menor quantidade e qualidade", Frank Zalom, entomologista da Universidade da Califórnia Disse Davis. "E em algumas variedades de azeitonas de mesa, essa praga é capaz de destruir a 100 por cento da colheita."

Oxitec, a United Kingdom-​based pest man­age­ment research firm, found that in Greece alone an esti­mated €35 mil­lion is spent annu­ally to con­trol the olive fruit fly in order to pre­vent esti­mated indus­try losses of up to €650 mil­lion.




Comentários

Mais artigos sobre: