`As importações de azeite brasileiro continuam crescendo - Olive Oil Times

Importações brasileiras de azeite de oliva continuam crescendo

Janeiro 12, 2014
Charlie Higgins

Notícias recentes

Salvador da Bahia, Brasil

Com o fervor da Copa do Mundo aumentando rapidamente e uma importante eleição presidencial no horizonte, parece que todos os olhos estarão voltados para o Brasil em 2014, incluindo a indústria do azeite. A potência econômica da América Latina se tornou um dos destinos de exportação de maior crescimento para o azeite de oliva, e no ano passado as importações de ouro verde alcançaram 74,873.8 toneladas métricas, um aumento de 5% em relação à temporada 2011-2012.

De acordo com Conselho Internacional do Azeite (COI), Os países da UE representaram 88% dessas exportações. Portugal, que embarcou 42,800 toneladas para o Brasil no ano passado, desfrutou da maior fatia do bolo (57%), seguido pela Espanha (25%), Itália (6%) e Grécia (1%). 12% das importações eram da Argentina (9%), Chile (2%) e países diversos (1%).

Este último grupo, que inclui Líbano, Marrocos e Tunísia, registrou um dos maiores crescimentos do ano passado. O Líbano, por exemplo, exportou 372 por cento mais azeite para o Brasil, enquanto as exportações da Tunísia aumentaram 98 por cento.

A demanda do Brasil por azeite virgem tem crescido constantemente nos últimos anos. Em 2002 - 2003, aproximadamente 39 por cento das importações de azeite eram de grau virgem; por 2012 - 2013 esse percentual cresceu para 73 por cento.

O país tem feito recentemente um esforço concertado para aumentar o consumo de azeite em geral, independentemente do país de origem. Com a ajuda do COI, o Brasil lançou um nacional olive oil procampanha motivacional em outubro com um orçamento proposto de US $ 1.6 milhão.

Embora ainda esteja em sua infância, a produção doméstica também disparou nos últimos anos. A maior parte desse crescimento está ocorrendo no estado do Rio Grande do Sul, que possui clima e tipo de solo semelhantes aos do vizinho Uruguai, outro país com enorme potencial como país. olive oil proprodutor e exportador.

Segundo Rogério Oliveira Jorge, pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a produtividade do solo do Rio Grande do Sul é comparável à dos países europeus, gerando cerca de 1,500 litros por hectare. Ele reconheceu, no entanto, que a maioria das oliveiras são bastante jovens e não atingirão seu pleno potencial dentro de alguns anos.

Até o governo brasileiro aposta na produção nacional, incluindo recursos para o setor no Plano de Safra do ano passado. Também concordou em colaborar com a Embrapa no desenvolvimento de um laboratório de testes de qualidade que atenderá aos padrões internacionais.

Olivas do Sul

Segundo Caio Rocha, do departamento de Cooperação e Desenvolvimento Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o Brasil planeja reduzir as importações de azeite em 30 por cento em quatro anos, tornando-se mais autossuficiente. Ele disse que o crescimento constante do mercado de importação prova que a demanda está lá.

"Somos grandes importadores de azeite. Importamos US $ 316 milhões em azeite, US $ 121 milhões em azeitonas e a região sul possui clima e solo adequados para o cultivo de azeitonas ”, afirmou Rocha.

Daniel Aued of Olivas do Sul, um dos principais produtores de azeite extra-virgem do Brasil, confia na qualidade dos azeites produzidos no Rio Grande do Sul, onde sua empresa produziu 22,000 litros em 2012. Ele acredita que os azeites brasileiros podem competir com os azeites importados, que se beneficiam de preços baixos e marketing, enfatizando qualidade e frescura.

“[O azeite importado] gasta de três a quatro anos em tambores, enquanto bom azeitedeve ser consumido no ano da safra ”, afirmou.


Anúncios

Notícias relacionadas

Feedback / sugestões