Uruguai espera colheita melhor após desastrosa

A produção deve se recuperar após uma safra ruim no ano passado, mas não chegará aos máximos da safra 2018/19.
Foto: Daniel Dawson
Dezembro 31, 2020
Daniel Dawson

Notícias recentes

Após um colheita historicamente pobre, Os produtores uruguaios esperam um ano muito melhor em 2021, segundo o Ministério da Pecuária, Agricultura e Pesca do país.

"A colheita atual em nosso país (2020/21) deve ser uma boa colheita ”, escreveu o ministério em seu relatório anual no setor agrícola. "Estima-se que o volume de produção seja superior ao da safra passada, mas sem atingir os níveis recordes da safra 2019 ”.

A safra 2018/19 discos quebrados no pequeno país sul-americano, que se encontra entre a Argentina e o Brasil, com produção superior a 2,500 toneladas. Muitas árvores jovens que estão entrando na maturidade e as condições climáticas favoráveis ​​foram atribuídas à colheita abundante.

Veja também: Notícias sobre a produção de azeite

Seguiu-se um mínimo histórico na época seguinte, em que foram produzidas apenas 295 toneladas de azeite, abaixo das estimativas iniciais de cerca de 700 toneladas. Baixas temperaturas e geadas na época da floração compõem um ano fora do ciclo de produção.

Este ano, no entanto, é mais promissor para os olivicultores do país, com melhores condições climáticas na época da floração e as chuvas a chegar na altura certa para as árvores.

Como era de se esperar, o relatório do ministério também mostrou queda significativa no Uruguai exportação de azeite em 2020. Embora o país só tenha enviado 116 toneladas de azeite para destinos estrangeiros, o valor desse azeite quase dobrou em comparação com 2019.

De janeiro a novembro, o Uruguai vendeu seu azeite de oliva extra-virgem no exterior por um preço médio de $ 5.318 (€ 4.34) por quilo, em comparação com $ 2.559 (€ 2.09) por quilo em 2019 e um pouco acima da média dos cinco anos anteriores - $ 5.0128 (€ 4.09) por quilograma.

Ao longo das últimas safras, houve um foco renovado na qualidade no Uruguai. A grande maioria dos produtores do país vê isso como a única forma de competir com as nações maiores produtoras em mercados lucrativos, como o Brasil e os Estados Unidos, para os quais se destinam mais de 80% das exportações uruguaias.

"Temos uma produção pequena, mas de altíssima qualidade ”, Paula Ferrera, representante da Associação Uruguaia de Azeitonas, Disse Olive Oil Times em uma entrevista de 2018. "A qualidade é a única maneira de competir com produtores maiores, como a Argentina, mas não podemos competir em volume. ”





Anúncios

Notícias relacionadas

Feedback / sugestões