`Congresso Médico: Azeite, Nutrição e Saúde - Olive Oil Times

Congresso Médico: Azeite, Nutrição e Saúde

Janeiro 30, 2012
Olivarama

Notícias recentes

Nosso país está na vanguarda da pesquisa sobre a ligação entre o azeite e a saúde. Nos últimos anos, nossos cientistas conseguiram demonstrar que certos componentes presentes neste alimento contribuem para impedir o aparecimento e o desenvolvimento de algumas das doenças mais comuns no mundo ocidental. Pela primeira vez na história, a medicina espanhola coincidiu em um único fórum, oferecendo a possibilidade de compartilhar conhecimentos adquiridos até hoje e transmiti-los aos profissionais de nutrição.

O conhecimento popular, transmitido de geração em geração, atribui infinitas propriedades de saúde ao azeite há séculos. As pessoas da bacia do Mediterrâneo tradicionalmente usam esse produto natural na tentativa de resolver mais ou menos imediatamente todos os tipos de dores e dores, geralmente devido a condições dermatológicas ou intestinais.

No entanto, apesar de já termos compreendido intuitivamente, a eficácia terapêutica e medicinal do azeite não foi demonstrada cientificamente até tempos relativamente recentes.

Nesse sentido, a maioria dos benefícios encontrados são observados após a ingestão prolongada e contínua de azeites virgens e extravirgens, que exercem efeito protetor contra o desenvolvimento de patologias como infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral, diabetes, certos tipos de câncer e, até, obesidade, entre muitos outros.

Mais e mais páginas de saúde, tanto da imprensa especializada quanto da imprensa geral, refletem os novos progressos realizados nessa área, embora, até agora, nenhum contexto em que todas elas pudessem ser analisadas e debatidas tivesse sido encontrado.

Espanha: líder em pesquisa e produção

Anúncios

Além de ser considerada o principal produtor mundial, a Espanha também se posiciona na vanguarda da pesquisa científica em azeite. Com o objetivo de compartilhar todos os conhecimentos adquiridos até o momento e possibilitar a troca de experiências, o I Congresso Médico: Azeite, Nutrição e Saúde foi recentemente organizado pela Interprofissional del Aceite de Oliva Español, em conjunto com a Fundación Patrimonio Comunal Olivarero e a Fundación Dieta Mediterránea; com o co-financiamento do Conselho Oleícola Internacional.

Este encontro teve lugar na sede da associação médica profissional Ilustre Colégio Oficial de Médicos de Madrid, nos dias 4 e 5 de novembro. A oportunidade para as figuras mais destacadas das principais linhas de investigação atualmente aberta se encontrarem e partilharem as suas descobertas com um público-alvo composto principalmente por médicos, nutricionistas, estudantes de medicina e profissionais da saúde.

Últimas linhas de pesquisa

A ocasião representou uma oportunidade única de ouvir, da boca dos próprios protagonistas, os últimos avanços que associam os benefícios do azeite à saúde e à nutrição.

Neste contexto, o Professor Eduard Escrich, que entrevistámos na edição nº 4 de OLIVARAMA, destacou os pontos mais relevantes de uma extensa investigação que dirige há 28 anos no Departamento de Biologia Celular e Imunologia da Faculdade de Medicina da Universidad Autónoma de Barcelona. Os resultados obtidos neste estudo demonstram que aquelas pacientes com dieta rica em azeite de oliva tendem a desenvolver uma forma menos maligna e agressiva de câncer de mama.

Por sua vez, os médicos Ramón Estruch e Miguel Ángel Martínez aproveitaram a palestra para revelar os pormenores do macroestudo Predimed que coordenam há 7 anos com o objetivo de conhecer os efeitos da Dieta Mediterrânica na prevenção primária de doenças cardiovasculares. Entre suas conclusões está o fato de que pessoas que usam esse ingrediente em sua dieta apresentam menor risco de diabetes, hipertensão, depressão e, principalmente, doenças cardiovasculares.

Esses mesmos efeitos também foram observados nas pesquisas que o médico Jaime Masjuan, do Hospital Ramón y Cajal de Madrid, apresentou na área de prevenção do AVC. Este estudo, realizado na França e conhecido como "As três cidades ”, mostraram claramente que as pessoas que consomem regularmente azeite têm menos probabilidade de sofrer um acidente vascular cerebral. Masjuan também revelou que atualmente está em andamento um trabalho para demonstrar a influência deste produto em doenças como Parkinson ou Alzheimer.

José López Miranda, em nome da Unidade de Lipídios da Universidade de Córdoba, um dos centros de vanguarda em nosso país neste campo da medicina, lembrou os resultados que mostram os efeitos positivos do azeite no endotélio, o revestimento de tecido o interior dos vasos sanguíneos. Nesse sentido, o consumo deste produto protege a estrutura do tecido acima mencionado da inflamação oxidativa, que tende a dar origem a múltiplas dores e dores.

Em suma, o Dr. Francisco Pérez Jiménez, do Hospital Universitário Reina Sofía de Córdoba, como os demais colegas, apoiou as evidências científicas de que o azeite é saudável, principalmente na prevenção das doenças mais comuns na população dos países desenvolvidos. .

Um pedido comum

Dito isto, os participantes do Congresso também ficaram descontentes com a legislação européia que, ao contrário da norte-americana, ainda não autorizou a rotulação dos azeites extra virgem e virgem como produtos saudáveis.

Por isso, solicitaram às autoridades competentes que acelerassem esta tomada de decisão com o objetivo de nos permitir ter em breve uma garrafa que nos permite ler que se trata de um alimento rico em ácidos graxos monoinsaturados e polifenóis que ajudam a prevenir o estresse oxidativo .



Os artigos Olivarama também aparecem na revista Olivarama e não são editados por Olive Oil Times.

Anúncios

Notícias relacionadas

Feedback / sugestões