` Adulterar o azeite grego não aumentará a competitividade - Olive Oil Times

Adulterar o Azeite Grego Não Aumentará a Competitividade

Fevereiro 26, 2014
Elena Paravantes

Notícias recentes

Recentemente, o governo grego, por meio da Comissão Helênica da Concorrência, solicitou um relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), uma organização econômica internacional fundada em 1961 para estimular o progresso econômico e o comércio mundial.

O relatório foi lançado oficialmente em dezembro de 2013 e incluiu várias recomendações, incluindo a abolição de regulamentos obsoletos.

Embora muitas recomendações fizessem sentido, outras não. Uma proposta particularmente significativa era a abolição da proibição da produção de blends de azeites com outros azeites vegetais na Grécia. Atualmente na Grécia, os produtores de azeite não podem blendr azeite com outros azeites, como soja, milho, girassol ou uma combinação destes.

A OCDE, em um esforço para limitar as barreiras regulatórias, declarou que os benefícios para esta ação eram claros. Quais são esses supostos benefícios?

De acordo com a OCDE, permitir a produção de azeite blenddo na Grécia permitiria a entrada de novos fornecedores no mercado, estimulando assim pressões competitivas (ou às vezes apenas a ameaça), levando à inovação de produtos, ganhos de eficiência e custos potencialmente mais baixos para os fabricantes e menor preços para os consumidores. A disposição atual impede os produtores gregos de competir no mercado interno contra azeites blenddos importados mais baratos, argumentaram eles.

Para tornar a situação ainda mais forte, a OCDE mencionou que, embora a Grécia tenha o maior consumo de azeite por pessoa no mundo, esse valor diminuiu e que outros países do Mediterrâneo, como Espanha e Itália, não têm essa restrição e, portanto, são mais competitivo.

O raciocínio pode parecer lógico à primeira vista, mas parece ser uma proposta genérica que não é sustentada por quaisquer números concretos, nem leva em conta a relação dos gregos e do azeite.

Em primeiro lugar, mencionam que tal medida pode implicar custos potencialmente mais baixos para fabricantes e consumidores, mas, como esta seria a principal razão para a abolição da disposição, talvez não seja suficiente.

O azeite na Grécia é geralmente mais barato que em outros países, essas novas blends serão mais baratas? Não há evidências de que serão. Os novos azeites blenddos serão comercializados como mais saudáveis ​​ou inovadores? Provavelmente. Vimos como esses azeites são promovidos em outros países, principalmente nos EUA e no Reino Unido.

Sabemos que eles não são de fato mais saudáveis. A maioria dos estudos que mostram os benefícios do azeite de oliva para a saúde envolve azeite de oliva extra virgem, não blends. E a questão mais importante é: os consumidores gregos irão comprá-los? Este relatório não levou em consideração os hábitos de compra e culinária dos gregos. Sim, felizmente os gregos ainda têm um alto consumo de azeite, no entanto, eles usam outros azeites vegetais para certas necessidades culinárias. Mas há uma diferenciação clara: azeite ou azeite vegetal, não uma blend.

Outra questão é a questão da qualidade. A Grécia é conhecida por seus pequenos olivais, azeite de alta qualidade, alta porcentagem de produção de azeite extra-virgem (tanto quanto 80% do azeite produzido é extra-virgem, na Espanha é 30 por cento e na Itália é responsável por cerca de metade.

De acordo com um relatório da Comissão de Comércio Internacional dos Estados Unidos, os azeites gregos podem ser diferenciados de outros porque têm perfis de sabor desejáveis ​​e pontuam bem em testes químicos que medem a qualidade. No entanto, muito pouco azeite grego é exportado como grego. A maior parte do azeite grego exportado vai para engarrafadores na Itália para ser blenddo com azeites de várias origens.

Na verdade, os azeites gregos são muito procurados pelos engarrafadores para serem blenddos com outros azeites virgens extra, a fim de aumentar a qualidade geral. Em outras palavras, o azeite grego é adicionado a outros azeites para torná-los mais saborosos. Os azeites gregos também são considerados entre os mais frutados e robustos. Isso levanta uma questão importante: por que um país que produz azeite de oliva de alta qualidade não apenas em termos de sabor, mas também de benefícios para a saúde, contaminaria seu produto adicionando vários azeites vegetais questionáveis?

O problema que a Grécia enfrenta é que muito pouco azeite é exportado como grego. Apenas recentemente houve uma tendência de exportação de azeite grego com identidade grega. Os passos são pequenos, mas significativos e é aí que a Grécia pode ver os benefícios financeiros. Considerando que a Grécia é o terceiro maior produtor de azeite do mundo e exporta apenas uma pequena porcentagem como grego, o benefício potencial das exportações é enorme.

Sim, a Espanha e a Itália permitem blends, mas embora também sejam países mediterrâneos com uma rica cultura de azeite, eles diferem de várias maneiras. O azeite de oliva na Grécia era, e ainda é, usado como o principal tipo de gordura para cozinhar em todo o país, ao contrário da Espanha e da Itália, onde a dieta varia muito de sul para norte. Espanha e Itália já estabeleceram identidades para suas marcas de azeite. A Grécia não o faz, e permitir esta blend arruinaria, em essência, qualquer reputação que o azeite grego tenha estabelecido até agora e que está se espalhando graças aos esforços de principalmente pequenos produtores de azeite e de iniciativas privadas.

Por fim, é importante observar que a recomendação da agência não leva em consideração as consequências que tal mudança pode ter para a saúde pública e a identidade cultural e alimentar dos gregos. É sabido que a Grécia, juntamente com outros países mediterrânicos, está a apresentar uma menor adesão à sua dieta tradicional mediterrânica. Os gregos estão adotando uma dieta ocidental, consumindo mais produtos alimentícios que não são locais. Caso em questão: a Grécia tem mais de 70 tipos de queijo, mas um dos queijos mais vendidos na Grécia, além do feta, é um queijo holandês importado. Como isso beneficia a Grécia financeiramente?

Felizmente, o governo grego está inicialmente dizendo não à proposta do azeite de oliva blenddo, mas isso não é suficiente. O governo grego precisa priorizar a promoção do desenvolvimento de uma identidade alimentar grega clara, não apenas fora da Grécia, mas também dentro da Grécia, e o azeite é um ótimo lugar para começar.


Notícias relacionadas

Feedback / sugestões