` Olivapedia: Bosques Intensivos - Olive Oil Times

Olivapedia: bosques intensivos

19 de fevereiro de 2013, 10h07 EST
Olivarama

Notícias recentes

Qual a diferença entre os olivais intensivos e os super-intensivos?

Os olivais intensivos e superintensivos diferenciam-se das chamadas plantações tradicionais devido à sua elevada densidade de plantação. Ou seja, distinguem-se pelo elevado número de oliveiras que coexistem no mesmo hectare de solo, bem como pela distribuição das árvores, que são plantadas com apenas um pé em solo fofo e geralmente equipadas com sistema de rega . Outra diferença é que, em comparação com as culturas convencionais, oferecem a possibilidade de mecanizar totalmente a colheita, possibilitando assim obter maiores rendimentos de produção.

As plantações intensivas são constituídas por olivais isolados, com copas que crescem em forma de copo e têm uma densidade de plantação entre 200 e 600 árvores por hectare. O quadro de plantio é de no mínimo 6 metros, e a vida útil estimada desse tipo de cultura é de mais de 40 anos.

Por sua vez, os olivais superintensivos - também conhecidos como sistema de sebes devido à sua distribuição linear característica - caracterizam-se por apresentar uma densidade de plantação entre 1,000 e 2,000 árvores por hectare, que são colhidas com máquinas ao longo de corredores estreitos de cerca de 1.5 metros. Nesse caso, a vida útil desses plantios está posicionada entre 12 e 14 anos, em média.

Anúncios

Este último tipo de plantação adapta-se particularmente às variedades de oliveiras menos vigorosas, o que significa que tendem a ser selecionadas as árvores que entram na produção mais cedo e com menor tendência para brotar ramos laterais. Entre estes, o mais utilizado é o Arbequina, embora outros como o Arbosana ou o Koroneiki sejam cada vez mais apreciados.

Quais são os componentes minoritários do azeite?

O azeite virgem, ou seja, o suco extraído da azeitona é um alimento natural composto por duas frações claramente diferenciadas. Por outro lado, 98 por cento de sua composição corresponde à parte lipossolúvel, formada por diversos ácidos graxos, entre os quais o ácido oleico se destaca pela elevada presença. Por outro lado, os restantes 2 por cento da composição são representados por uma parte hidrossolúvel que é, precisamente, o que alberga os componentes minoritários.

Até o momento, os cientistas conseguiram localizar mais de 230 desses componentes. Muitos deles são do tipo fenólico e se distinguem por suas propriedades antioxidantes, como os que comprovadamente contêm esqualeno, os fenóis simples (hidrotoxitirosol e tirosol), os secoiridoides (oleuropeína), os lignanos (acetoxipinoresinol e pinoresinol), os flavonóides, os pigmentos (clorofilas e feofitinas), beta-caroteno, alfa-tocoferol ou as vitaminas A e E.

Conforme a pesquisa progrediu neste campo, a sinergia produzida entre os efeitos do ácido oleico e os compostos minoritários mencionados exerceu um efeito protetor e preventivo contra o desenvolvimento de certos tumores, como câncer de mama ou de cólon. Da mesma forma, também foi demonstrada sua eficácia na redução do risco de doenças cardiovasculares e diversas doenças degenerativas.

A presença desses componentes é um fato diferencial e exclusivo do azeite virgem. O resto das gorduras vegetais não os têm.

Os artigos da Olivarama são apresentados na íntegra e não são editados pelo Olive Oil Times.
Anúncios

Notícias relacionadas

Feedback / sugestões