`Adicionar França à lista crescente de colheitas ruins - Olive Oil Times

Adicionar a França à crescente lista de colheitas pobres

Novembro 3, 2014
Alice Alech

Notícias recentes

A indústria do azeite de oliva na França enfrentará um ano catastrófico semelhante às perdas sofridas pelos produtores em 1956. Adicione a perspectiva sombria aqui a situações semelhantes em grandes partes da Itália e Espanha.

A França não produz muito azeite em comparação com seus vizinhos mediterrâneos. Em um ano bom, a produção pode ficar em torno de 4,500 toneladas, mas neste ano estima-se que produza apenas 2,000 toneladas - uma perda de mais de 50%.

Olivier Nasles, presidente da L'association Française Interprofessionelle de L'Olive, (AFIDOL), a associação interprofissional do azeite em França comparou a situação a um tsunami na indústria local de azeite.

A redução da quantidade e qualidade das azeitonas francesas afetará toda a indústria, incluindo os proprietários de fábricas que processam azeitonas de pequenos produtores.

De acordo com a AFIDOL, o inverno deste ano não foi frio o suficiente para ter efeito suficiente sobre as moscas da azeitona, permitindo que as larvas da mosca da fruta sobrevivessem e se alimentassem. O verão trouxe dias quentes e frios, igualmente ruins para as azeitonas, fazendo-as cair no chão.
Veja também: Cobertura completa da colheita de 2014
Alguns produtores de azeite em Provence estão preocupados com o fato de não conseguirem enviar seus produtos para as competições nacionais e internacionais anuais, enquanto outros estão preocupados com a impossibilidade de satisfazer os clientes em casa e no exterior.

Apanhados nesse período difícil estão Gilles e Brigitte Stalenque, que ganhou um prêmio de ouro por seu azeite verde frutado no Concurso Internacional de Azeite de Nova York ano passado. Do seu domínio de cinco hectares situado na antiga vila de Seillans, a 72 quilômetros de Nice, Brigitte disse: "É tão difícil manter o moral, estamos tão orgulhosos dos nossos negócios familiares e agora isso. ”

Em uma nota positiva, a AFIDOL disse que os resultados deste ano não terão o mesmo efeito catastrófico que o frio drástico em 1956, quando as árvores tiveram que ser cortadas. Alexandra Paris, da Afidol, disse que os produtores em 1956 tiveram que tolerar sérios efeitos de longo prazo. Os produtores na França vão voltar à ação, Paris prometeu, em 2015.


Anúncios

Notícias relacionadas

Feedback / sugestões