` Agricultores da Úmbria encontram poucas coisas para comemorar - Olive Oil Times

Agricultores da Úmbria encontram pouco para comemorar

Outubro 27, 2014
Denise Johnson

Notícias recentes

Aldeias por toda a Umbria estão dando o melhor de si possível em uma colheita que muitos agricultores locais preferem esquecer.

Esta época do ano é geralmente a mais alegre para os agricultores e produtores da Úmbria, cuja dedicação transparece através das fragrâncias dos mundialmente famosos azeites virgens extra da região, flutuando pelo campo.

É também o momento da temporada em que as usinas abrem suas portas em uma tradição anual, a Frantoi Aperti, convidando toruistas e moradores locais para se alegrar com a colheita e provar os célebres azeites Moraiolo, Frantoio e Leccino extra virgens, extraídos da imprensa.

Mas, embora as visitas guiadas, concertos e aulas de culinária continuem como sempre, muitos agricultores da região não estão com vontade de comemorar. Em vez disso, eles estão no meio de uma colheita horrivelmente ruim, devastada pela mosca da azeitona que prosperou na umidade incomum desta estação.

"Será um ano que os produtores e moinhos vão querer esquecer ”, disse Brian Chatterton, o ex-ministro da Agricultura da Austrália do Sul e agora produtor de azeite na Umbria.

Chatteron disse que muitos produtores estão furiosos porque os serviços de consultoria da região e as associações não conseguiram prever o desastre e aconselhar os produtores sobre medidas de controle. Outras partes da Itália onde a mosca da azeitona é um problema mais frequente têm bons serviços de monitoramento, incluindo cooperativas de produtores que praticam sistemas de manejo integrado de pragas (MIP).

Chatterton disse que a maioria das franquias que normalmente estariam 24 horas por dia, 7 dias por semana, opera apenas oito horas hoje em dia. Muitos produtores, ele disse Olive Oil Times, não se preocupam em colher nada, preferindo deixar os frutos pilhados apodrecerem nas árvores.

As coisas não são melhores para os agricultores da Ligúria, onde inundações no pior momento possível, dizimaram as colheitas e a produção deve ser apenas metade da do ano passado.

Notícias relacionadas

Feedback / sugestões