Brasil procura sua própria azeitona

Como o debate gira em torno de saber se Maria da Fé é ou não uma espécie de azeitona única no Brasil, tanto as usinas tradicionais quanto as máquinas tecnologicamente avançadas contribuíram para o aumento da qualidade do azeite aqui.

25 de abril de 2017, 1:34 EDT
Por Jun Cola

Notícias recentes

Em 2008, os olivicultores brasileiros extraíram seus primeiros litros de azeite. Quase uma década depois, esses produtores de EVOO gourmet ainda estão trabalhando diligentemente para estabelecer uma base de clientes.

A vanguarda do azeite brasileiro se enraizou em duas regiões principais, a Serra da Mantiqueira (Minas Gerais) e o sul do Rio Grande do Sul.

Olivas do Sul, Batalha de Ouro de Sant'Ana, Oliq, Cardeal, Prosperato, e outras marcas EVOO surgiram desde então, obtendo sucesso nos mercados locais e regionais pelo frescor de seus produtos e pelo conhecimento de que a compra local não apenas possui a economia, mas, mais importante, reduz nossa pegada de carbono.

Mas a crescente identidade EVOO do Brasil também depende da perspectiva de sua terra arável e do aproveitamento de seu terroir para produzir sua própria cultivar de azeitona.

Aproximadamente 70% das azeitonas colhidas no Brasil são da variedade Arbequina. Os outros 30% estão divididos entre Frantoio, Grappolo, Koroneiki, Picual e uma espécie peculiar, Maria da Fé, plantada há décadas na Serra da Mantiqueira.

Anúncios

Enquanto a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG) atesta que Maria da Fé é uma variedade de azeitona exclusiva do Brasil, alguns olivicultores argumentam que suas características são muito semelhantes à sua variedade materna, a galega portuguesa.

Enquanto o debate gira em torno de se Maria da Fé é brasileira ou não, Marcelo Scofano, um autoproclamado oliveologist e provador de azeitonas profissional disse que cinco azeitonas com qualidades únicas emergiram do terroir na cidade de Pelotas (Rio Grande do Sul).

Azeitonas Maria da Fé

"Cinco amostras genéticas foram enviadas para laboratórios em Portugal e outros países do Mediterrâneo. Eles estão prontos para serem declarados indígenas, não possuindo identidade com as variedades originais ”, disse Scofano, acrescentando que a azeitona está atualmente em processo de registro no Ministério da Agricultura do Brasil.

Na última década, as usinas tradicionais e as máquinas tecnologicamente avançadas contribuíram para o aumento da qualidade do azeite no Brasil.

Durante o período, a produção saltou para aproximadamente 53 toneladas no 2016, no entanto, foi a experiência irreverente do plantio de azeitonas nos biomas brasileiros que despertou o maior interesse.

A goiaba e outros sabores maduros e herbáceos já foram observados entre as marcas brasileiras de azeite. Tais aromas distintos ajudaram os produtores locais de EVOO a consolidar sua presença nos pólos locais e regionais do país. E novas edições, nascidas da terra e da ecosfera ao sul do equador, podem estar no horizonte.



Anúncios

Notícias relacionadas

Feedback / sugestões