O negócio

Na Itália, agricultores se unem para competir com multinacionais

Uma das maiores empresas agrícolas da Itália concordou em investir US $ 200 milhões para fornecer mais poder de barganha e um conjunto maior de recursos para agricultores independentes.
Jul. 30, 2020
Paolo DeAndreis

Notícias recentes

Uma das maiores operações agrícolas da Itália, Bonifiche Ferraresi, assinou um novo acordo de investimento multimilionário com uma ampla rede de organizações agrícolas associadas ao Consorzi Agrari d'Italia (CAI).

Como parte da parceria, Bonifiche Ferraresi concordou em injetar 170 milhões de euros (US $ 200 milhões) em capital no CAI. O objetivo é ajudar pequenos agricultores e produtores a reter poder de barganha e autonomia de produção em um ambiente de negócios cada vez mais controlado por grandes multinacionais.

Veja mais: Notícias de negócios de azeite

"Setenta e cinco por cento do mercado de agroquímicos e 63 por cento do mercado de sementes são controlados por apenas três empresas globais ”, disse Ettore Prandini, presidente da principal associação de agricultores italianos, Coldiretti. "Isso significa que a Itália deve reforçar a rede de Consórcios Agrícolas, os únicos produtores de armas que precisam manter seu poder de negociação. ”

A idéia da parceria é financiar uma rede de know-how e serviços, que estarão disponíveis para centenas de milhares de agricultores espalhados pela Itália.

"Isso pode melhorar o desenvolvimento e a competitividade da agricultura italiana em um cenário dominado pelo poder esmagador das corporações ”, afirmou Coldiretti. "Um poder que põe em risco a soberania alimentar e a biodiversidade nos diferentes países. ”

Anúncios

A Pandemia de COVID-19 destacou a necessidade de mais cooperação entre os pequenos produtores do setor agrícola italiano.

"A emergência global causada pelo coronavírus trouxe uma nova compreensão do valor estratégico da cadeia alimentar e sua necessidade de segurança e qualidade certificada, mas também destacou suas fragilidadesPrandini disse.

"Precisamos de um plano nacional inteiro para defender a cadeia alimentar e não depender das importações em momentos de tanta angústia internacional. ”

Prandini acrescentou que a nova parceria se estenderia a todos os cantos do setor agrícola do país.

"A nova realidade amplia suas operações, da inovação tecnológica aos contratos da cadeia de suprimentos, da agroenergia à jardinagem, do fornecimento de meios técnicos à proteção de sementes em risco de extinção ”, afirmou.





Anúncios

Notícias relacionadas