Produção De Azeite Acima De Mais De 25 Por Cento, Consumo Mais Alto

Em seu boletim mensal, o International Olive Council divulgou seus dados preliminares para a safra 2017 / 18, que indica aumentos na produção, consumo e importações.

Outubro 8, 2018
Por Daniel Dawson

Notícias recentes

Os dados provisórios analisados ​​pelo Conselho Internacional das Oliveiras (COI) prevê um aumento percentual de 28 de produção de azeite este ano em comparação com o último.

A produção global atingiu 3,315,000 toneladas na safra 2017/2018, embora os dados sejam apenas provisórios.- Conselho Olivícola Internacional

Os dados, fornecidos por países membros e não membros, indicam que a produção global atingirá 3,315,000 toneladas na safra 2017/18, um aumento de 723,500 toneladas em comparação com o ano passado.

A Tunísia experimentou o maior aumento, produzindo toneladas 280,000, que foi um aumento percentual da 180 em comparação com o ano passado. A Itália também teve uma temporada forte, produzindo toneladas 428,900, um aumento de 135 por cento.

Portugal, Argentina e Grécia também experimentaram grandes aumentos, produzindo um percentual adicional de 94, 81 e 77, em comparação com o ano passado, respectivamente.

Enquanto isso, a Turquia e Marrocos tiveram aumentos mais moderados, produzindo 48 por cento e 27 por cento mais azeite do que no ano passado, respectivamente. No geral, a União Europeia (UE) aumentou a produção de azeite em 25 por cento em comparação com o ano passado.

Anúncios

As exceções notáveis ​​aos aumentos de produção foram na Argélia e na Espanha, que sofreram reduções estimadas de 31 por cento e 2.7 por cento, respectivamente, em comparação com o ano passado. No entanto, a Espanha continua sendo o maior produtor mundial, com uma produção de 1,256,200 toneladas, representando cerca de 38 por cento do total mundial.

De acordo com o COI, consumo de azeite também aumentou 9% na safra 2017/18, atingindo 2,958,000 toneladas.

Juntamente com o consumo, as importações também aumentaram em sete dos oito mercados de referência do COI. Estes mercados são geralmente caracterizados como países que consomem mais azeite do que produzem, com exceção da UE.


© Olive Oil Times | Fonte de dados: International Olive Council


As importações para o Brasil na safra 2017/18 cresceram mais em 29%, seguidas pelo Canadá com 12%, pelos Estados Unidos com XNUMX%, pela Rússia com XNUMX% e pela Austrália e pelo Japão com XNUMX%.

A China foi o único país a não experimentar crescimento, com as importações diminuindo oito por cento em comparação com o ano anterior. No entanto, o governo chinês não divulgou dados desde abril do ano 2018, portanto, esse número pode mudar.

Na UE, as importações de países terceiros aumentaram 91 por cento nesta safra. As exportações da Tunísia foram os maiores contribuintes para esse aumento. Enquanto isso, as importações intra-UE diminuíram seis por cento em comparação com o ano passado.

Os preços globais do azeite extra-virgem nos quatro maiores países produtores permaneceram "bastante estável ”ao longo do ano, mas sofreu algumas quedas em setembro.

Com base nos dados oficiais do país e nas estimativas da Secretaria Executiva do COI, a produção mundial de azeite em 2018/19 deverá cair 7.6%, para 3,064,000 toneladas. O consumo de azeite deve permanecer em um nível semelhante.

Mesmo assim, espera-se que a UE aumente a produção em 1.1 por cento, com a maior parte do crescimento impulsionado pela Espanha. Espera-se que Itália, Grécia e Portugal experimentem quedas. Fora da UE, espera-se que Argélia, Argentina, Egito, Tunísia e Turquia também sofram quedas.

No entanto, esses números são baseados em estimativas preliminares. O Conselho de Membros do COI realizará uma pesquisa mais extensa em novembro para atualizar esses números.





Notícias relacionadas