Europa

Pesquisa confirma que Xf é culpado pela dessecação de árvores Salento

Um projecto financiado pela Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos A EFSA confirmou que a destruição foi causada pela bactéria Xylella fastidiosa.

Testes de campo mostraram que a cigarrinha infecciosa (Philaenus spumarius), disseminada na Apúlia, pode transmitir as bactérias para as oliveiras.
Abril 6, 2016
Por Ylenia Granitto
Testes de campo mostraram que a cigarrinha infecciosa (Philaenus spumarius), disseminada na Apúlia, pode transmitir as bactérias para as oliveiras.

Notícias recentes

A epidemia de plantas que está causando o chamado CoDiRO ou dessecação rápida e complexa de oliveiras em Salento (Apúlia) foi, sem dúvida, causada pela bactéria Xylella fastidiosa. Esta é a conclusão, alcançada pela Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA), com base em pesquisas realizadas em seu nome pelo Centro Nacional de Pesquisa (CNR) e pelo Centro de Pesquisa Basile Caramia em Locorotondo (Bari).

Os pesquisadores expuseram variedades das principais culturas perenes à bactéria através de inoculação artificial e exposição a vetores de insetos infectantes no campo. Não foram testadas apenas oliveiras, mas também outras plantas mediterrânicas, como uva, citros, amêndoa, pêssego, cereja e ameixa, espécies florestais como azinheira e espécies ornamentais como oleandro e erva-de-murta.
Veja mais: Cobertura completa do surto de Xylella Fastidiosa

"Essas descobertas confirmam que a cepa CoDiRO de Xylella fastidiosa causa morte de azeitona ”, afirmou o chefe da Unidade de Saúde Animal e Vegetal da EFSA, Giuseppe Stancanelli. "Este é um passo importante porque só podemos avaliar com precisão o risco de uma epidemia se espalhar pela Apúlia se preenchermos as lacunas de conhecimento sobre a gama de hospedeiros e a epidemiologia da cepa da Apúlia. ”

Segundo a EFSA, as oliveiras inoculadas com Xylella fastidiosa pelos pesquisadores apresentaram os mesmos sintomas graves que os de Salento, com dessecação e morte, mas verificou-se que nem todas as variedades reagem da mesma maneira. A bactéria parece levar mais tempo para colonizar a variedade de Coratina, Leccino e Frantoio do que a Cellina di Nardò, que é uma das variedades mais comuns na área contaminada. No entanto, de acordo com os pesquisadores, são necessários mais testes em um número maior de cultivares de azeitona para entender as diferentes respostas fisiológicas à agressão da bactéria.

Os testes de campo também mostraram que o cigarrinho (Philaenus spumarius), disseminado na Apúlia, pode transmitir as bactérias às oliveiras, oleandros e murtas. Enquanto nenhuma das plantas cítricas, roscas ou azinheiras testou positivo para Xylella fastidiosa após exposição a P. spumarius infeccioso ou inoculações diretas. Testes adicionais são necessários para frutas com caroço, como pêssego e ameixa.

Anúncios

"Os resultados deste estudo reduzem significativamente as incertezas sobre os riscos da Xylella na União Europeia. Como parte do programa de financiamento à pesquisa da UE Horizonte 2020, haverá programas específicos para o controle dessa doença ”, concluiu Stancanelli. Todas as plantas inoculadas serão mantidas em observação por pelo menos mais uma estação vegetativa, enquanto os experimentos de campo serão estendidos por até 10 anos.

No entanto, o estudo levantará dúvidas e protestará, antes de tudo, pelo potencial conflito de interesses de alguns dos pesquisadores envolvidos: Vito Savino, Donato Boscia e Maria Saponari são três das dez pessoas nomeadas no investigação iniciada em dezembro pelo procurador de Lecce, Cataldo Motta, por várias infrações, incluindo a disseminação de uma doença vegetal, violação intencional das disposições sobre o meio ambiente, material falso cometido por funcionários públicos em documentos públicos, deturpação fraudulenta e destruição ou desfiguração da beleza natural.

Além disso, há quem tenha manifestado preocupação, já que a EFSA não é um órgão da comunidade científica internacional, mas uma agência governamental da União Europeia, designada para avaliar o estado da pesquisa científica sobre a emergência de Xylella, e está financiando um estudo que ser incluído em suas decisões.

"Nossos dados são objetivos. E incontroverso. Nada muda ”, disse Cataldo ao jornal Nuovo Quotidiano di Puglia sobre a investigação em andamento: "Adquiriremos o estudo da EFSA e o enviaremos aos nossos especialistas. É necessário ter um cenário completo dos estudos mais credenciados para realizar um confronto sério. ”


Notícias relacionadas