` Projeto visa trazer mudança social por meio do azeite de oliva no Brasil - Olive Oil Times

Projeto visa trazer mudança social através do azeite de oliva no Brasil

17 de março de 2016 9h24 EDT
Erin Ridley

Notícias recentes

Embora o Brasil não seja amplamente conhecido como um olive oil produtor, uma nova iniciativa pode apenas mudar isso - não através da escala de seu olive oil proprodução, no entanto, mas como resultado de um esforço inovador voltado para a causa chamado Árvores sociais.

O objetivo da iniciativa é apoiar a educação de jovens nas comunidades pobres da região sul do Rio Grande do Sul. Para conseguir isso, as Árvores Sociais tentarão angariar fundos para plantar entre 7,000 e 35,000 oliveiras (provavelmente Arbequina, Arbosana, Koroneiki e / ou variedades Picual, todas cultivadas e cultivadas com sucesso na região), a partir das quais azeites extra-virgens o petrazeite será produzido e vendido. 100% dos lucros serão direcionados a projetos sociais locais e, em teoria, ao longo de pelo menos 70 anos (considerado o tempo médio de produção de um pomar).

O esforço é liderado por Leonardo Dutra, especialista em agronegócio e com experiência no desenvolvimento de gestão e marketing da agroindústria brasileira. Ele é apoiado por um grupo diversificado, que inclui olive oil produtores do Brasil, Itália e Portugal, e o projeto está buscando doações por meio do site de crowdfunding, IndieGoGo.

A iniciativa poderia potencialmente beneficiar mais do que apenas os jovens do Rio Grande do Sul, também empregando locais para auxiliar na produção, transporte, manutenção de pomares e como consultores técnicos para seleção, implementação e manutenção de locais, entre outros possíveis empregos.

As Árvores Sociais podem ganhar um impulso com o aumento constante do consumo de azeite de oliva no Brasil, que nasceu de uma recuperação na economia do país e do crescente interesse por alimentos mais saudáveis.

Anúncios

Dutra explicou, "O Brasil experimentou um extraordinário desenvolvimento social e econômico entre 1995 e 2013. Em geral, a população ganhou poder de compra. ”Ele acrescentou, "O resultado desse processo foi a inclusão de novos hábitos no país, como o consumo de vinho e (de) azeite. ”

De fato, desde 1990 / 1991, consumo de azeite no Brasil passou de 13.5 toneladas anualmente para 66.5 toneladas em 2014/2015. Enquanto Dutra adverte que o consumo pode desacelerar devido à atual crise econômica do país, ele acredita que ainda continuará a crescer. De fato, dado que cerca de 85% do azeite brasileiro é importado da Europa, o país está pronto para contribuir com sua própria demanda interna, independentemente da taxa com que crescer.

Dutra também acredita que é possível que o impacto do projeto chegue além da região local do Rio Grande do Sul e até além do Brasil. "Acreditamos que a iniciativa tem potencial para agregar valor à produção de petrazeite no Brasil e no mundo. ”

E, idealmente, eles não terão que fazer isso sozinhos. "Esperamos que a indústria global de azeite nos ajude nesse empreendimento ”, disse ele, acrescentando que está aberto à possibilidade de que isso possa acontecer. "beneficiar o desenvolvimento desta indústria como um todo. ”


Olive Oil Times Série vídeo
Anúncios

Notícias relacionadas

Feedback / sugestões