Política Brasileira: 10, Azeite: 0

Olive oil produtores como Rafael Marchetti se encontram em um beco sem saída. Considerando que seu nicho de indústria de alimentos é bem-vindo e necessário no Brasil, o turbilhão político e econômico que varre o país não parece que vai acabar tão cedo.

Presidente do Brasil Michel Temer
28 de novembro de 2016, 12:30 EST
Por Jun Cola
Presidente do Brasil Michel Temer

Notícias recentes

Ouvindo o Olive Oil Times podcast (temporada 3, episódio 2) foi um lembrete fiel de como uma atmosfera política carregada pode prejudicar setores de nicho, mas promissores.

Durante a entrevista, Rafael Marchetti, produtor de azeite da empresa de sua família, Tecnoplanta que oferece oportunidades de investimento turnkey no setor de azeite do Brasil, reiterou que as atuais crises políticas e econômicas que assolam o país impediram o crescimento de seu negócio outrora florescente.

Isso não foi uma surpresa para mim. Nos últimos seis a oito meses, ficou claro, enquanto eu andava pelas ruas do nordeste do Brasil, que mais vendedores ambulantes informais estão vendendo seus produtos. Para ajudar a complementar um salário mínimo já insuficiente (R $ 880 por mês, ou cerca de US $ 263 pelo câmbio atual), as pessoas vendem milho, pipoca, doces, batatas fritas e outros alimentos aleatórios e petiscos para pagar as contas. Azeite? Este condimento e azeite de cozinha não fazem a melhor agitação de rua em tempos difíceis.

Curtis Cord, o editor de Olive Oil Times, começou a entrevistar Marchetti com um bom "Então, só para quebrar o gelo, você gosta do presidente Trump? ” Não é uma maneira convencional de abrir uma discussão de podcast sobre virgem extra olive oil proprodução no Brasil. No entanto, a crise política no Brasil não é radicalmente diferente do que aconteceu na eleição presidencial dos EUA de 2016 e tem muito a ver com o período de um ano declínio nas vendas de azeite no país.






Tenha em mente que o setor ainda estava se recuperando de um Estudo Proteste 2013 que concluiu que apenas 8 das 19 marcas de azeite virgem extra comercializadas no Brasil poderiam ser genuinamente consideradas virgens extra. E agora, o Brasil continua envolto em uma crise que está destruindo não apenas o nicho da indústria de azeite virgem extra gourmet, mas também o país como um todo.

Então, como a eleição de Donald Trump pode revelar alguns dos problemas políticos do Brasil atualmente? Em primeiro lugar, a vitória de Trump por um colégio eleitoral (não é necessário voto popular) é uma reminiscência da expulsão de Dilma Rousseff, a primeira mulher presidente do Brasil.

Anúncios

Apesar de o promotor público do Brasil considerá-la inocente de qualquer crime, Dilma, que havia sido reeleita democraticamente no 2014, foi demitida em agosto. Esse drama político foi parcialmente motivado pela infame Investigações de lavagem de carros que abalaram quase todos os aspectos da política brasileira nos últimos anos. Insinuações rodopiam desenfreadas sobre o envolvimento de Dilma em um crime ou outro. No entanto, no final, apenas seus inimigos políticos mais dedicados, muitos dos quais permanecem no cargo, foram formalmente implicados ou acusados ​​de crimes reais pelas autoridades.

A BBC Brasil publicou recentemente um artigo intitulado Corrida presidencial 2018 pode ter Trump brasileiro (A corrida presidencial do Brasil de 2018 pode ter um Trump brasileiro). Minha resposta foi que eles já têm um presidente Trump com este governo recém-instalado. As crises política e econômica só pioraram desde a saída de Dilma. Em seu lugar estava o vice-presidente Michel Temer. Sua robusta proposta de austeridade (MEC 241) visa congelar por 20 anos todos os gastos públicos, bem como alterar o currículo da educação pública (uma das mudanças inclui a regra de que nenhum debate político seria permitido no ensino médio).

Protestando contra as propostas de Temer, estudantes do ensino médio ocuparam centenas, senão milhares, de escolas em todo o país, sindicatos e organizações sociais levaram suas reivindicações às ruas e, enquanto escrevo, uma greve nacional está sendo organizada pelos 25th de novembro.

Como Marchetti aludiu durante sua entrevista, a queda de um ano nas vendas de azeite de oliva produzido localmente está diretamente relacionada às crises econômicas e políticas que se intensificaram no ano passado. Os dados que suportam essa correlação são poucos e distantes entre si. No entanto, enquanto o desemprego no Brasil chega a 11.6 por cento, tornando-se o sétimo maior mercado desempregado em uma pesquisa de 51 países, os preços dos alimentos, como feijão preto, feijão carioca, arroz, batata, cebola, alho e, é claro, azeite de oliva, todos cresceram. Desde o início de 2016, o feijão carioca, um alimento básico, um dos tipos de feijão mais consumidos no Brasil, cresceu 54 por cento.

Inevitavelmente, extra virgem gourmet olive oil produtores como Marchetti se encontram em um beco sem saída. Considerando que seu nicho de indústria de alimentos é bem-vindo e necessário no Brasil, o turbilhão político e econômico que varre o país não parece que vai acabar tão cedo.

Apesar de tudo, eles estão avançando, assim como as rodas de pedra usadas para prensar azeitonas nos bons velhos tempos. Mas agora, muito de seu trabalho envolve educar o público sobre a qualidade e o frescor do azeite de oliva produzido localmente. Isso não apenas reduz nossa pegada de carbono, mas também pode ajudar a iniciar uma economia estagnada.



Olive Oil Times Série vídeo
Anúncios

Notícias relacionadas

Feedback / sugestões