Portugal apreende azeite adulterado em ataque

As normas alimentares portuguesas e a agência ASAE apreenderam 6,000 litros de azeite falso de uma empresa na cidade de Penamacor.

Novembro 22, 2016
Por Catarina Chase Aleixo

Notícias recentes

A agência de padrões alimentares portuguesa ASAE apreendeu 6,000 litros de azeite falso na semana passada de uma empresa na cidade de Penamacor, cerca de 270 quilômetros a nordeste da capital do país, Lisboa, disse a ASAE em um comunicado.

De acordo com a ASAE, que é a agência de Portugal para inspecionar e fazer cumprir os padrões e a segurança alimentar, desde a fabricação e importação até o ponto de venda, foram apreendidos cerca de 6,000 litros de azeite falso como parte de um código de operação chamado "Golden Oil III ”no mês passado.
Veja também: Artigos sobre fraude de azeite
Na invasão, um total de 3,400 litros do azeite falso foi encontrado decantado em garrafas pequenas e grandes e os investigadores da Unidade de Informação Nacional e Investigação Criminal da ASAE testemunharam uma blend de azeite sendo rotulada como azeite. Também apreendeu um tanque cheio com 2,400 litros de lampante oleo.

Ao todo, os produtos apreendidos tinham um valor de mercado de cerca de € 30,000 ($ 31,809).

"No decurso da investigação de toda a cadeia de abastecimento os produtos foram apreendidos em vários retalhistas e grossistas localizados em diferentes concelhos e foram iniciados processos criminais por bens e alimentos falsificados, sendo o embalador um reincidente destes mesmos crimes ”, o INE declaração disse.

Descobriu-se que a importadora e a empresa de embalagens estavam blendndo azeite de oliva com outros azeites vegetais, despejando-o em garrafas e rotulando-o como azeite virgem, disse a agência.

A qualidade é importante.
Encontre os melhores azeites do mundo perto de você.

A Operação Golden Oil III, como o nome sugere, segue as Operações Golden Oil I e ​​II realizadas pela ASAE em anos anteriores.

Em agosto deste ano, a revista brasileira Proteste relatou ao consumidor em um teste de 19 marcas de azeite de oliva vendidas nos supermercados do país que descobriu que três marcas de azeite supostamente português eram falsificadas. 

O azeite das marcas Pramesa, Figueira da Foz e Tradição revelou ser uma blend de azeite com outros azeites vegetais. Outras três marcas (Qualitá, Beirão, Carrefour Discount e Filippo Berio) foram rotuladas como azeite virgem extra, mas foram descobertas como azeite virgem. 

A produção de azeite atingiu o máximo em 75 anos de 765,000 mil toneladas em Portugal em 2015 e a produção de azeite em 2016 deverá atingir o máximo em 50 anos, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística do país (INE).

Nos últimos anos, foram plantadas novas extensões de olival irrigadas na região do sul do Alentejo, que produz mais de 75 por cento da azeitona do país, o que significa que a produção depende menos das chuvas anuais para uma colheita bem sucedida.



Notícias relacionadas

Feedback / sugestões