Pesquisadores caracterizam duas variedades de azeitonas galegas pela primeira vez

A investigação classificou as variedades de azeitona de uma região de produção de azeitona emergente da Espanha. Um estudo concorrente descobriu que o azeite dessas cultivares pode ser valioso na prevenção de doenças neurodegenerativas.

Abril 5, 2018
Por Mary West

Notícias recentes

O azeite, a principal fonte de gordura na dieta mediterrânea, é conhecido por seus nutrientes e propriedades de saúde. A Espanha mantém a distinção de ser o melhor produtor disto "ouro líquido ”no mundo. Enquanto a maioria do azeite do país é produzido na Andaluzia, nos últimos anos outras áreas começaram a fabricar azeite de alta qualidade usando variedades indígenas.

O conhecimento que temos sobre as características do azeite galego é escasso e até agora nenhuma caracterização sistemática havia sido feita sobre esse assunto.- Isabel Trujillo Navas, Universidade de Córdoba

A Galiza, uma região do nordeste da Espanha, tem duas variedades de azeitona chamado Brava e Mansa. Enquanto o clima difere de outras partes da Espanha na luz solar e nas chuvas, as azeitonas nativas crescem bem aqui.

Recentemente, pela primeira vez, os pesquisadores examinaram as oliveiras da Galiza para estabelecer sua identidade e determinar sua relação genética com outras cultivares de azeitona na Península Ibérica. O estudo foi uma colaboração entre a Universidade de Córdoba e a equipa de investigação AA1 do Departamento de Nutrição e Ciência Alimentar da Universidade de Vigo.

Os cientistas usaram um procedimento de identificação baseado em marcadores moleculares 14 (DNA) e marcadores morfológicos ou estruturais, 11. O procedimento foi utilizado anteriormente no processo de classificação do Banco de Germoplasma de Oliveira de Córdoba, que contém variedades 800 dos países 23.

A análise dos dados mostrou que 75 por cento das oliveiras de Córdoba eram da cultivar Brava e 22 por cento eram da cultivar Mansa. Os autores concluíram que as duas variedades apresentam alto potencial para a produção de azeite virgem extra de excelente qualidade.

Segundo Isabel Trujillo Navas, cientista participante da Universidade de Córdoba, "o conhecimento que temos sobre as características do azeite galego é escasso e até agora nenhuma caracterização sistemática havia sido feita sobre esse assunto. ”

Estes resultados estabelecem uma base sobre a qual catalogar as diferenças e semelhanças entre as variedades de azeitona pode continuar no futuro. A pesquisa, que continuará avançando nos próximos meses, ofereceu a oportunidade para "produzindo novos azeites exclusivos e diversificando os mercados nacional e internacional ”, afirmou Navas.

Os resultados foram publicados na revista Scientia Horticulturae.

O estudo foi realizado imediatamente antes de uma investigação de fevereiro de 2018 que avaliou as propriedades terapêuticas dos azeites virgem extra Brava e Mansa da Galiza. Os pesquisadores extraíram compostos saudáveis ​​nos azeites chamados polifenóis testaram sua capacidade de inibir enzimas associadas a condições neurodegenerativas como doença de Alzheimer, doença de Parkinson e transtorno depressivo maior.

Os cientistas postularam que altas concentrações de certas enzimas reduzem os níveis de neurotransmissores cerebrais, que são produtos químicos que protegem contra condições neurodegenerativas. Portanto, um agente que inibe essas enzimas, como o polifenóis no azeite, pode resultar em níveis aumentados de neurotransmissores necessários para a função cerebral ideal.

Os achados mostraram tanto variedades de azeitona, particularmente Brava, pode inibir algumas das enzimas envolvidas. Portanto, os azeites podem ser considerados candidatos a alimentos funcionais para esses distúrbios, desempenhando um papel na sua prevenção e remediação.

É possível que o consumo diário de azeite extra-virgem seja responsável pela menor incidência de doenças neurodegenerativas nos países vizinhos do Mediterrâneo. O estudo foi publicado na revista Molecules.





Notícias relacionadas

Feedback / sugestões