Saúde

Como o azeite pode ajudar a combater a tendência mortal da Índia

O potencial do hidroxitirosol na prevenção da citotoxicidade relacionada ao mercúrio pode tornar o azeite um excelente recurso nutricional para ajudar a combater uma crescente crise de saúde na Índia, mostraram pesquisas.

Dezembro 9, 2016
Por Sonal Panse

Notícias recentes

Os níveis crescentes de contaminação por mercúrio (Hg) na Índia, por meio de fontes ambientais, industriais, médicas e nutricionais, estão rapidamente levando ao que pode se tornar uma grande crise de saúde pública no país. Os efeitos adversos já são evidentes no aumento relatado de câncer, doenças cardiovasculares, doenças renais, distúrbios neuronais, distúrbios psiquiátricos e deficiência visual.

Os pesquisadores sugerem que a inclusão alimentar de fitoquímicos, como os presentes no azeite, pode ajudar a mitigar esses problemas de saúde em um grau considerável. O azeite de oliva virgem contém vários antioxidantes fenólicos que possuem benefícios conhecidos para a saúde e um desses antioxidantes, hidroxitirosol (HT), provou ser eficaz contra a toxicidade induzida por Hg.
Veja mais: Benefícios para a Saúde do Azeite
Em geral, uma vez que o Hg é ingerido, inalado ou absorvido pelo organismo, ele pode ser expulso naturalmente após um período de tempo, principalmente se as fontes de intoxicação forem controladas ou se acumular dentro das células. Neste último caso, o acúmulo de Hg começa a atrapalhar os processos celulares e traz mudanças morfológicas adversas que podem destruir as estruturas celulares e levar a danos a longo prazo nos órgãos. Os rins e o cérebro, especialmente em crianças pequenas, são particularmente vulneráveis ​​à toxicidade do mercúrio.

Recomenda-se o uso de TH nesses casos, uma vez que o fitoquímico fenólico, além de não ser tóxico e anti-inflamatório, é capaz de se difundir através das membranas celulares e possui propriedades quelantes de metais que podem neutralizar a citotoxicidade induzida por Hg.

Experiências realizadas por Manna et al. mostram que o HT reduz significativamente a formação de espécies reativas de oxigênio (ERO) causadas pela exposição ao Hg. A pesquisa foi publicada no Revista de Nutrição e Ciências Alimentares.

ROS são moléculas reativas baseadas em oxigênio que, em níveis elevados, podem provocar apoptose; isto é, eles podem causar a autodestruição da célula. É necessário que a sobrevivência das células desintoxique a ERO e, para isso, o sistema de defesa natural libera antioxidantes como a glutationa. A exposição contínua ao Hg pode, no entanto, esgotar os níveis de glutationa e prejudicar a defesa antioxidante. A TH pode impedir exatamente esse esgotamento e, assim, permitir que a glutationa realize sua tarefa protetora.

Anúncios

Manna et al. também observaram o potencial da TH na prevenção da formação de equinócitos. São glóbulos vermelhos (RBCs) que, com exposição ao Hg, formam crescimentos espinhosos anormais e uniformemente colocados nas membranas celulares. Os equinócitos são pró-coagulantes e podem causar rupturas induzidas por Hg, conhecidas como hemólise e levar a doenças trombóticas. O aumento da formação de equinócitos também aumenta o risco de danos cardiovasculares.

Dada a eficácia das propriedades antioxidantes do HT, é claramente um excelente recurso nutricional para o tratamento de problemas de saúde induzidos por Hg. O uso de azeite na dieta regular pode, portanto, revelar-se um imenso benefício na Índia.

Dito isto, a inclusão do azeite na culinária diária pode exigir uma conscientização mais ampla da saúde do que o que já existe, uma vez que, geralmente, as pessoas tendem a seguir o que sempre usaram e o que não altera o sabor ou o sabor. estão acostumados.

O alto preço do azeite, em grande parte importado, também tende a colocá-lo fora do alcance da parte da população que ele mais pode beneficiar. O cultivo de azeitonas em Rajasthan e Himachal Pradesh e a produção de azeite na Índia podem, esperançosamente, torná-lo mais acessível em breve ao público em geral.



Notícias relacionadas