Pesquisadores Identificam os Principais Tipos de Fraude do Azeite, Propõem Soluções

Uma revisão científica identificou os tipos mais prevalentes de fraude no azeite e propôs contramedidas, incluindo mais cooperação entre os órgãos reguladores.
Abril 1, 2021
Costas Vasilopoulos

Notícias recentes

O alto valor econômico do azeite de oliva extra virgem e a aclamação como um produto saudável o tornaram um alvo popular de fraudes, disseram pesquisadores de várias universidades e instituições europeias em uma análise conjunta.

Juntamente com outros produtos alimentares, incluindo peixe, leite, carne, grãos, mel, café, vinho e especiarias, o azeite é frequentemente alvo de várias práticas ilícitas na União Europeia.

O nível de atenção e a elevada exigência em termos de verificações de conformidade melhoraram atualmente a qualidade do azeite comercializado no mercado nos últimos 30 anos.- Enrico Valli, pesquisador de ciência alimentar, Universidade de Bolonha

Os pesquisadores revisaram as tendências emergentes em fraude de azeite na UE e em outros países, como parte da Comissão Europeia Programa oleum.

Veja também: Azeite do Dr. Gundry: Controverso Pitchman Revela uma Dose de Engano

Os investigadores recolheram dados do Joint Research Centre (JRC), do serviço científico interno da Comissão Europeia e de várias bases de dados de fraude alimentar, como o sistema RASFF da UE. Eles também enviaram pesquisas a profissionais e outros membros do setor de azeite.

Entre setembro de 2016 e dezembro de 2019, o JRC registrou 32 casos de fraude na indústria global de azeite.

  • Dezesseis dos casos envolveram a substituição do azeite por outros azeites.
  • Onze casos diziam respeito à rotulagem incorreta de azeites.
  • Quatro casos envolveram o falso uso de um indicador geográfico.
  • Cinco casos diziam respeito à distribuição de produtos falsificados.
  • Seis relacionados à diluição de azeites de oliva com outros azeites ou qualidades inferiores.
  • Um caso envolveu roubo.

Vinte dos 32 casos ocorreram na Europa. As práticas de infração mais comuns consistiam na comercialização de azeite virgem como virgem extra e na venda de azeites blenddos e azeites vegetais como azeite puro.

Os pesquisadores também esclareceram que o número de casos registrados foi maior do que os incidentes reais de fraude, uma vez que um incidente pode pertencer a duas categorias diferentes de violação. Por exemplo, o azeite de semente vendido como azeite de oliva extra virgem é considerado um caso de rotulagem incorreta e fraude de substituição.

Em países fora da UE, a fraude com azeite geralmente incluía diluição e substituição de azeites. Por exemplo, no Brasil, o blend de azeite com lampante ou azeite de soja foi a prática fraudulenta mais comum.

Outros exemplos de fraude identificados pelo relatório incluíram um incidente de 2017 em que apenas seis dos 35 azeites virgem extra da amostra vendidos em supermercados dinamarqueses eram virgens extra.

Na Grécia, por outro lado, o policia prendeu sete pessoas e os encarregou de adicionar corante verde ao azeite de girassol e comercializá-lo como azeite.

Na Espanha, o mundo maior cooperativa de azeite foi multada em 2018, por falta de pagamento das tarifas sobre o azeite importado da Tunísia, que depois foi blenddo com azeite de qualidade inferior e exportado para os Estados Unidos na forma de azeite virgem.

No mesmo ano, um questionário dirigido a membros da rede de fraude alimentar da UE que opera nos 28 estados membros, Suíça, Noruega e Islândia, solicitou informações sobre incidentes de fraude comuns e emergentes no setor do azeite.

As respostas revelaram que nenhum caso de fraude foi registrado em oito países durante os últimos 12 meses.

Veja também: Controles de qualidade na Europa precisam ser melhorados, constata estudo

No resto dos países, as práticas fraudulentas mais comumente relatadas incluíam a blend ou comercialização de azeite virgem ou extra virgem com azeites de qualidade inferior. Casos de blend de azeite com azeites refinados e desodorizados foram relatados com menos frequência.

Além da natureza enganosa da fraude em si, raramente há problemas relacionados à saúde para os consumidores quando o azeite de oliva é blenddo com azeites vegetais, observaram os pesquisadores.

No entanto, houve casos - mais notavelmente, a síndrome do azeite tóxico espanhol em 1981 - quando o azeite de colza não comestível foi vendido como azeite de colza comestível ou azeite de oliva. O consumo de azeite de colza não comestível causou uma condição musculoesquelética severa em quase 20,000 pessoas e resultou em 300 mortes.

Um dos principais fatores que levaram à fraude no azeite identificados pelos pesquisadores são as diferenças de preços existentes entre o azeite virgem extra e o azeite virgem e entre os azeites virgem extra, dependendo do seu local de origem.

Outro factor identificado no relatório é a qualidade relativamente elevada dos azeites virgens e lampante produzidos na UE, o que os torna mais fáceis de blendr com os azeites de virgem extra e de vender com muito lucro como virgem extra.

Os investigadores também sublinharam que, apesar dos casos de práticas fraudulentas no sector do azeite, o quadro regulamentar e de controlo existente na UE resulta numa melhoria significativa qualidade do azeite e isso precisa ser comunicado aos consumidores.

"O nível de atenção e a elevada exigência em termos de verificações de conformidade melhoraram atualmente a qualidade do azeite vendido no mercado nos últimos 30 anos ”, Enrico Valli, investigador do departamento de ciências agrícolas e alimentares da Universidade de Bolonha, contado Olive Oil Times.

"Por outro lado, os resultados evidenciados neste artigo científico, cruzados com as respostas obtidas nos questionários, indicam que para melhor garantir a qualidade e autenticidade do azeite, existe ainda a necessidade de melhorar as verificações de conformidade, reduzir os casos de desacordo na classificações, desenvolver melhor métodos analíticos robustos e ferramentas de triagem de apoio, em uma tentativa de tentar estar um passo à frente dos fraudadores ”, acrescentou.

Os investigadores concluíram que para melhor garantir a qualidade e autenticidade do azeite, a União Europeia, o Conselho Oleícola Internacional e outros órgãos reguladores devem colaborar mais perto.

O relatório recomendou que eles apresentassem uma estratégia conjunta para reunir dados sensoriais e instrumentais e aumentar a proficiência e cooperação de painéis sensoriais.





Anúncios

Notícias relacionadas

Feedback / sugestões