Saúde

Benefícios do Consumo de Azeite no Tratamento de Diabetes Tipo 2

Uma revisão de evidências recentes mostra que o azeite ajuda a melhorar os principais mecanismos envolvidos no desenvolvimento e progressão do diabetes tipo 2, sendo uma recomendação adequada como parte de uma intervenção dietética saudável.
Fevereiro 18, 2016
Jedha Dening

Notícias recentes

Em todo o mundo, o diabetes tipo 2 está em proporções epidêmicas, com mais de 300 milhões já apresentando a doença, com um aumento estimado para 600 milhões de casos diagnosticados até o ano de 2030.

Informações sobre a redução do risco de diabetes tipo 2 são bastante comuns. No entanto, encontrar informações sobre o tratamento e o manejo de um indivíduo que já tem diabetes tipo 2 pode ser um pouco mais difícil.

Portanto, este artigo foi elaborado como uma espécie de mini revisão da literatura, apontando algumas das pesquisas recentes em torno do azeite de oliva e seus benefícios potenciais para uso como uma intervenção dietética no tratamento do diabetes tipo 2.

O estresse do retículo endoplasmático (ER) é um mediador central para a disfunção das células beta pancreáticas no diabetes tipo 2. Um estudo in vitro publicado na Biochemical and Biophysical Research Communications, 2016, investigou se o tirosol, um composto polifenólico antioxidante encontrado no azeite, poderia proteger contra a disfunção das células beta. Os pesquisadores descobriram que o tirosol de fato protegia contra a morte celular induzida por estresse por ER de células beta, sugerindo que deveria ser explorado como um agente terapêutico para melhorar a resistência à insulina e diabetes.

A resistência à insulina (RI) é um dos principais contribuintes para as dificuldades em manter o controle da glicose no sangue. Um estudo publicado em Diabetologia, 2015, randomizou 642 pacientes para uma dieta mediterrânea enriquecida com azeite de oliva (MedDiet) (35 por cento de gordura; 22 por cento de gordura monoinsaturada) ou uma dieta com baixo teor de gordura (menos de 28 por cento de gordura) para determinar se a dieta a intervenção afeta a função de células beta e IR específicas do tecido. O estudo descobriu que ambas as dietas melhoraram a RI, no entanto, a RI do fígado melhora mais por meio de uma dieta com baixo teor de gordura, enquanto a RI muscular e a RI muscular + fígado poderiam se beneficiar mais com o MedDiet enriquecido com azeite.

Até o momento, não há estudos clínicos avaliando o papel dos padrões dietéticos na incidência de complicações microvasculares, como retinopatia e nefropatia no diabetes tipo 2. Uma análise post hoc de uma coorte de participantes diabéticos tipo 2, publicada em Diabetes Care, 2015, mostra que um MedDiet suplementado com EVOO pode proteger contra a retinopatia diabética, uma complicação que causa cegueira, mas não nefropatia.

De acordo com uma revisão detalhada de 2824 estudos, publicada no British Medical Journal, 2015, consumir um MedDiet está associado a melhor controle glicêmico e fatores de risco cardiovascular, mesmo em comparação com uma dieta com baixo teor de gordura.

Condições clínicas associadas à obesidade, como diabetes tipo 2, mostram melhorias com a ingestão diária de ácido linoléico conjugado (CLA) ou azeite de oliva extra virgem (EVOO). Um estudo com camundongos publicado no The Journal of Nutritional Biochemistry, 2015, investigou se a suplementação dietética de CLA ou EVOO poderia alterar o metabolismo corporal associado à energética mitocondrial. O estudo descobriu que, embora o EVOO sozinho não altere nenhum parâmetro metabólico, combinado com o CLA protege contra RI e aumento do fígado, enquanto o CLA melhora a ação mitocondrial e o metabolismo corporal.

De acordo com pesquisa publicada em Biochimia et Biophysica Acta, 2014, o ácido oleico, um importante componente biológico do azeite de oliva, é um componente primário dos lipídios da membrana e ajuda a regular as estruturas da membrana por ter a capacidade de se incorporar aos fosfolipídios, o que tem várias vantagens para composição celular. Também se pensa que as membranas ricas em ácido oleico têm maior flexibilidade para promover o transporte de glicose GLUT4 para as células e ajudar a reverter a IR induzida por ácido graxo saturado.

Um acompanhamento de 8.1 anos de um ensaio randomizado de 4 anos, publicado em Diabetes Care, 2014, avaliou os efeitos de longo prazo de duas intervenções dietéticas em 215 participantes com sobrepeso com diabetes tipo 2 recém-diagnosticado. Um MedDiet com baixo teor de carboidratos (LCMD) (menos de 50% de carboidratos) foi comparado a uma dieta típica com baixo teor de gordura (menos de 30% de gordura) quanto à necessidade de medicação anti-hiperglicêmica. O LCMD resultou em uma redução significativamente maior nos níveis de HBA1c, uma taxa mais alta de remissão do diabetes e uma diferença de 2 anos na necessidade de medicação para diabéticos em comparação com a dieta com baixo teor de gordura.

A dislipidemia é uma consequência da síndrome metabólica e é comum em indivíduos com diabetes tipo 2. Um estudo in vitro em células do fígado de ratos, publicado no The Journal of Nutritional Biochemistry, 2014, mostrou que o hidroxitirosol, tirosol e oleuropeína, fenóis presentes no EVOO, inibem a síntese de ácidos graxos e triglicerídeos, apoiando outras pesquisas que mostram que o azeite de oliva exerce benefícios positivos nos níveis de colesterol.

Um estudo publicado na Clinical Nutrition, 2013, randomizou 110 pacientes com síndrome metabólica para MedDiet + EVOO; MedDiet + nozes; ou dieta com baixo teor de gordura para investigar o efeito da MedDiet em biomarcadores oxidativos sistêmicos. Os resultados mostraram que, em comparação com uma dieta com baixo teor de gordura, o MedDiet reduziu o dano oxidativo aos lipídios e ao DNA em indivíduos com síndrome metabólica.

Esta não é uma lista exaustiva da pesquisa que examina o benefícios do azeite no tratamento e gerenciamento do diabetes tipo 2, apenas uma breve revisão das evidências recentes. No entanto, a pesquisa parece mostrar que o azeite, seus fenóis, polifenóis e propriedades podem ajudar a melhorar alguns dos principais mecanismos envolvidos no desenvolvimento e progressão do diabetes tipo 2, sendo uma recomendação adequada como parte de uma intervenção alimentar saudável.


Notícias relacionadas

Feedback / sugestões