Uruguai antecipa má colheita em meio à pandemia

Os produtores de azeite uruguaios esperam uma redução de 60% na produção em 2020, depois de uma colheita recorde em 2019. O custo do coronavírus no turismo, nas exportações e nos custos de produção está prejudicando sua lucratividade.

Abril 17, 2020
Por Jorge Enrique Pereira Benitez

Notícias recentes

Após um colheita recorde em 2019, na qual o Uruguai produziu quase 2,800 toneladas de azeite, espera-se uma safra significativamente menor em 2020.

Efeitos climáticos, incluindo baixas temperaturas e geadas na época da floração, bem como escassez de água no verão durante o enchimento da fruta, combinados com muitos produtores entrando em um ano de entressafra para reduzir significativamente o rendimento esperado.

As expectativas mais otimistas dos produtores e analistas colocam a produção total deste ano em não mais de 700 toneladas.

Veja também: Atualizações da colheita de 2020

Junto com os demais produtores do hemisfério sul, os uruguaios também tiveram que realizar a colheita da azeitona durante o pandemia de coronavírus.

Embora o pequeno país sul-americano tenha evitado até agora os grandes surtos sofridos em muitos outros países ao redor do mundo, o governo ainda implementou uma quarentena semi-reforçada que está afetando os produtores e sua lucratividade.

Aproximadamente 75% do cultivo de oliva do Uruguai (cerca de 25,000 acres) está concentrado entre uma dúzia de produtores diferentes. O resto da produção do país é principalmente operações de pequena escala, variando entre 25 e 60 acres de tamanho.

Dependendo de seu tamanho e localização, a pandemia de Covid-19 impactou como diferentes operações estão conduzindo a colheita e fazendo planos para o futuro.

Gonzalo Aguirre é o diretor e co-proprietário da Olivares de Santa Laura, um produtor de médio porte localizado no Nordeste do país, próximo à fronteira com o Brasil. Aguirre cultiva azeitonas em cerca de 250 hectares de terra e se tornou um dos produtores mais bem-sucedidos do país, vendendo seus azeites tanto no Uruguai como exportando-os para o exterior.

No caso dele, a situação excepcional não afetou a operação de sua empresa, principalmente devido ao baixo volume de produção ocorrido em 2020 em comparação com o ano anterior.

A colheita e a produção de azeite foram realizadas por seus funcionários permanentes e membros de sua família. Aguirre tomou as medidas de precaução recomendadas pelas autoridades federais de saúde e trabalho, incluindo distanciamento social de 10 metros (32.8 pés) entre os trabalhadores e uso de equipamentos de proteção individual para as mãos e o rosto.

A quantidade mínima de mão de obra foi usada na fábrica de azeite. Aguirre disse que a equipe se adaptou positivamente às novas condições de trabalho e que não sofreu nenhum acidente de trabalho.

A colheita da azeitona começou em março, logo após a confirmação dos primeiros casos de coronavírus no Uruguai.

Luis Repetto é um pequeno olivicultor e diretor da Olivar del Bhúo. Em uma fazenda de 27 acres na província de Canelones, a poucos quilômetros da capital, Repetto aloca metade de suas terras para o cultivo de três variedades de azeitonas e tem seu próprio lagar.

Olivar del Bhúo adotou protocolos sanitários mais rígidos do que a maioria dos produtores. Além de seguir as medidas de distanciamento social recomendadas e utilizar equipamentos de proteção individual, o pequeno produtor também desinfeta regularmente os equipamentos de colheita e moagem.

Apesar de já ter tomado todas estas medidas, Repetto disse que gostaria que o governo federal e a Asolur, a Associação Uruguaia do Azeite, enviassem orientações específicas aos produtores.

Como resultado da pandemia, Repetto não contratou trabalhadores adicionais para a colheita e supervisionou pessoalmente e participou de todas as tarefas da colheita.

Para ele, era muito importante conscientizar os trabalhadores que participaram da colheita, pois muitos são de áreas rurais e podem não entender a ciência por trás da disseminação do vírus.

Apesar dos contratempos, Repetto conseguiu concluir em poucos dias suas atividades de coleta e beneficiamento.

No geral, ele produziu 50 por cento menos azeite este ano do que em 2019. No entanto, seu assessor agronômico disse que Repetto obteve uma das safras de maior qualidade que ele já viu este ano.

Enquanto alguns produtores foram minimamente impactados pelas interrupções causadas pela Covid-19, outros enfrentaram dificuldades para gerenciar a logística de suas operações.

Sergio Gómez é proprietário e diretor da Onoser (Olivo Noble), uma das maiores operadoras de logística do país. Com sua frota de máquinas para colheita, Gómez atende cerca de 30 produtores diferentes nas regiões centro e leste do país.

Sua principal dificuldade tem sido a transferência de pessoal entre os diferentes locais onde ele prestou seus serviços. Para isso, ele teve que fornecer a cada membro de sua equipe seu próprio veículo.

Embora Gómez apenas auxilie na colheita mecânica e no transporte da fruta para a fábrica, seguir as orientações necessárias para o distanciamento social diminuiu a produtividade de sua equipe.

No entanto, a grande queda na produção em todo o país neste ano fez com que ele não estivesse atrasado. Gómez espera terminar a colheita em abril, antes que as temperaturas caiam e cheguem as chuvas.

Enquanto isso, a principal agroindústria olivícola do Uruguai, a Agroland SA, que representa 60 por cento dos olivais do país, começou a colher poucos dias depois que o coronavírus foi detectado pela primeira vez, em 13 de março.

A empresa ainda está colhendo e pressionando suas azeitonas, mas espera ter um rendimento significativamente menor do que nos anos anteriores.

Esta empresa, que dispõe de uma infra-estrutura técnica e de mão de obra altamente desenvolvida, possui três plantações no leste do país e é um importante pólo turístico junto com as vinícolas vizinhas.

A semana que antecede o Domingo de Páscoa (conhecida como Semana do Turismo) é uma das épocas mais populares para viajar no Uruguai. No entanto, neste ano, nenhum turista afluiu à costa leste do país em decorrência da proibição do governo de abrir atrações turísticas.

Embora isso leve a uma diminuição significativa do faturamento da empresa, espera-se simplificar o trabalho de coleta e produção de azeite da propriedade, uma vez que não haverá público visitando os pomares e engenhos.

A maioria dos produtores no Uruguai espera totais de produção muito mais baixos em 2020 do que em 2019. Alguns não produzirão azeite.

Do ponto de vista comercial, as perspectivas para o futuro são difíceis no Uruguai. As vendas estão praticamente paralisadas pela inatividade do setor turístico, uma das principais fontes de renda dos produtores uruguaios.

Da mesma forma, a grande produção de 2019 resultou em um volume próximo a 600 toneladas de azeite excedente, parte da qual ajudará a suprir a demanda interna, mas o restante normalmente é exportado para o vizinho Brasil.

Do mundo terceiro maior importador de azeite está atualmente sendo prejudicado por uma taxa de infecção de Covid-19 que aumenta rapidamente e, como resultado, o comércio de azeite de oliva no país foi paralisado, sem um cronograma claro de quando será reiniciado.

Um número significativo de produtores teve uma safra muito pequena ou inexistente neste ano. Eles terão que enfrentar custos de manutenção, empregos e obrigações fiscais com quase nenhuma receita em 2020.

Após um ano de baixa produção, a temporada seguinte geralmente apresenta uma recuperação significativa, o que pode fornecer uma tábua de salvação para os produtores que lutaram em 2020.

As obras da safra de 2021 terão início em julho, no início do inverno, com podas e adubações. Isso exigirá um esforço econômico considerável e não há certeza de que todos os produtores serão capazes de realizar essas tarefas de forma eficiente, a fim de colher os benefícios de uma colheita retomada em 2021.


Anúncios

Notícias relacionadas

Feedback / sugestões