`Decreto para 'descrrimanalizar' azeite falsificado leva a protestos na Itália - Olive Oil Times

Decreto para 'Desrimanalizar' o azeite falsificado leva a protestos na Itália

Dezembro 17, 2015
Ylenia Granitto

Notícias recentes

Um debate entre produtores e organizações agrícolas e o governo italiano está acontecendo em torno de um projeto de decreto legislativo relativo a sanções para a falsificação de azeite e sua origem (especificado pelo Regulamento da União Europeia 29/2012) que está sendo analisado pelas Comissões de Agricultura e Justiça da Câmara dos Deputados.

Segundo produtores, entidades de classe e representantes do setor, a nova lei descriminalizaria o crime de contrafação. Uma infração criminal envolvendo fraude comercial resultaria em uma simples sanção administrativa.

Vou propor ao Comitê que audite todas as partes envolvidas e isso levará a alterações no texto do projeto.- Senadora Colomba Mongiello

Milhares de produtores estão protestando contra a medida que eles afirmam ameaçar minar a luta contra os produtos que se disfarçam como a italiana.

Se o decreto for aprovado, os infratores que "não respeitar a obrigação de indicar no rótulo e nos documentos dos azeites virgens extra e azeite virgem a denominação de origem, bem como a denominação de origem irregular que também use sinais, figuras ou outras ", serão punidos com "multa de € 1,600 a € 9,500 ”, disse o projeto que gerou protestos nesta semana.

O presidente da Unaprol, David Granieri, exortou os ministros a criar um "desvio legislativo para substituir as penalidades por contrafação já aprovadas por leis do Parlamento. ” 

O presidente do Slow Food Itália, Gaetano Pascale, alertou que seria uma "erro grave ”para descriminalizar os delitos relacionados à rotulagem falsa de azeite extra-virgem. "Consumidores e produtores honestos ”, disse Pascale, "devem ser protegidos com regras rígidas e com a certeza de que as infrações que visam prejudicar a transparência na cadeia de abastecimento também são punidas pelo direito penal ”.

O decreto não inclui nenhum "descriminalização na rotulagem e indicação de procedência ”do azeite, afirmou o ministro da Justiça, Maurizio Martina, e a ministra da Agricultura, Andrea Orlando, em comunicado conjunto para reafirmar que não haverá retrocesso nas penalidades previstas pelos chamados "economizar petrazeite ”(ou "Lei Mongiello”, Que leva o nome da senadora Colomba Mongiello, que foi a primeira a entrar em vigor). 

"Será garantida a prevalência do direito penal. Será o compromisso do governo ”, disseram os dois ministros, "trabalhar com as comissões parlamentares competentes para especificar e reforçar a primazia de infrações e sanções penais previstas no decreto, a fim de integrar e endurecer a lei existente e as disposições do Código Penal. ”

"Vou propor ao Comitê a auditoria de todas as partes envolvidas e isso levará à alteração do texto da minuta ”, acrescentou Mongiello, e declarou sua intenção de retirar toda a medida, ou alternativamente, estar pronta para fazer aumentar proporcionalmente o custo das sanções.

O decreto legislativo deveria ser aprovado no início de janeiro, mas o clamor dos produtores pode atrasar o procedimento.

Notícias relacionadas

Feedback / sugestões