As preocupações com o teste do painel de azeite foram exibidas na última reunião do Grupo Consultivo da Comissão Europeia sobre Azeitonas e Produtos Derivados.

De acordo com um rascunho do relatório da reunião de novembro 9 - apenas publicado no site da CE - as opiniões expressas incluíam que o teste era "caro" e "insustentável" a longo prazo.

O relatório, que não lista os participantes nem nomeia a fonte das opiniões expressas, diz que houve alguma discussão de propostas sobre questões físico-químicas e "especialmente organolépticas".

No que parece ser em partes uma tradução para o inglês, o relatório observa que “um representante da indústria destacou que a questão está presente há muitos anos e é cara. A única maneira de diferenciar virgens e extra virgin o azeite é o teste do painel: embora a forma como é aplicado em toda a Europa deva ser avaliada cuidadosamente, o teste do painel deve ser mantido no local, já que não foi encontrado nenhum método alternativo para descobrir a diferenciação acima mencionada. ”

"O presidente apontou que nenhuma abolição do teste do painel foi feita, mas que o sistema não é sustentável a longo prazo."

O relatório continua dizendo que um representante comercial na reunião disse que o problema não estava com o sistema de teste de painel em si, "mas a forma como é aplicado nos Estados-Membros (da União Europeia)".

"Como (um) fato, nenhum problema particular é sinalizado na Espanha enquanto, talvez, poderia ser algo relacionado ao modo como as autoridades italianas fazem o teste do painel que cria problemas por lá."

O relatório encerra o resumo do assunto, observando: "A Comissão concluiu que é de alguma forma bom ter um teste de painel."

Outros assuntos

Entre outros assuntos discutidos na reunião estava a falta de um padrão uniforme para o azeite internacionalmente. Os membros do grupo analisaram informações de “organizações socioprofissionais” sobre problemas de exportação envolvendo os Estados Unidos e a Austrália “devido a diferenças existentes de padrões nacionais em outros países”.

A reunião ouviu igualmente um apelo dos produtores de um observatório do mercado do azeite a criar e recebeu informações sobre o estado das regras da UE sobre alegações de saúde admissíveis para o azeite; de negociações de livre comércio com países como Israel, Palestina e Marrocos; ea actual reforma do sistema de subsídios da Política Agrícola Comum (PAC) da CE.

As propostas de medidas “verdes” posteriores ao 2013 CAP “provocaram uma troca de opiniões animada”. Um representante dos produtores disse que o setor estava “tentando melhorar e alcançar um melhor nível de qualidade”, mas as reformas colocam esses esforços em risco.

Eleição

José Maria Amorim Falcão, de Portugal, da federação de agricultores europeus Copa-Cogeca, foi eleito por unanimidade vice-presidente do grupo consultivo. De acordo com um relatório separado, na reunião do grupo em junho 7 no ano passado, Gennaro Forcella, da Itália, foi eleito presidente naquela reunião e Léonidas Vostanis da Grécia também foi eleito vice-presidente.

Filo della Torre

Os participantes marcaram um minuto de silêncio em homenagem ao ex-diretor da UNAPROL Ranieri Filo della Torre, que morreu em Roma pouco antes da reunião. Ele tinha sido "um valioso colega promovendo o azeite e sua produção".

Grupos Consultivos da CE

O Grupo Consultivo sobre Azeitonas e Produtos Derivados geralmente se reúne todos os meses de junho e novembro. A agenda para sua próxima reunião não foi tornada pública, mas, de acordo com o relatório sobre sua reunião em junho passado, deve-se revisitar as questões relativas ao nível de alquil-éster permitido no azeite.

Uma nota acima dos relatórios da reunião anterior diz que as opiniões expressas neles representam os pontos de vista dos participantes das reuniões das ONGs relacionadas com a agricultura e que “não podem, em circunstância alguma, ser atribuídos à Comissão Europeia”.

A Comissão tem vários grupos consultivos no setor agrícola e geralmente incluem vários representantes da COPA-COGECA, bem como delegados do comércio, indústria e consumidores.



Mais artigos sobre: , , , ,