`A escassez mundial de azeite leva a preços mais altos - Olive Oil Times

Escassez mundial de azeite leva a preços mais altos

Agosto 5, 2015
Isabel Putinja

Notícias recentes

Mundo preços do azeite subiram como os efeitos do ano passado colheita de azeitonas desastrosa na Europa estão sendo sentidos no nível do consumidor.

Vários artigos recentes na mídia internacional informaram sobre a escassez mundial de azeite e o subsequente aumento dos preços devido às más colheitas da 2014 - 2015 marinheiro na Espanha e na Itália, os dois países responsáveis ​​por 70 por cento da produção global de azeite.

A Espanha sofreu com o calor e a seca extremos no verão de 2014, enquanto a Itália foi atingida por infestações por moscas da fruta e pelas mortes Xylella fastidiosa bactéria que dizimou os olivais na Apúlia.

A Grécia e a Tunísia, no entanto, apresentaram rendimentos aumentados, 127% e 300%, respectivamente, em comparação aos níveis de 2013/2014. As exportações de azeite da Tunísia atingiram um registro alto, aumentando sete vezes em relação ao ano anterior, com a maioria das exportações indo, sem surpresa, para Itália e Espanha. Mas o aumento dos rendimentos na Grécia e na Tunísia não foi suficiente para compensar a escassez na Itália e na Espanha.

Bloomberg relatado Na semana passada, os números do Euromonitor indicam que os preços ao consumidor de azeite aumentaram 10 por cento e agora superaram a taxa global de inflação para alimentos embalados em 3.7 por cento. Os relatórios da Oil World também revelaram que o preço do azeite extra virgem espanhol está agora em seu maior nível desde abril de 2006, a $ 4,272 a tonelada.

Enquanto isso, citando números do jornal britânico The Grocer, que cobre o setor de FMCG (bens de consumo velozes) do Reino Unido, The Guardian relatado que o preço médio de um litro de azeite de oliva extra virgem subiu de £ 6.32 ($ 9.84) em dezembro de 2014 para £ 6.95 ($ 10.82) em julho de 2015. O mesmo artigo revelou que a demanda por azeite por varejistas e distribuidores em junho de 2015 foi de 12 por cento mais alto do que os exportadores poderiam entregar.

Os números do Conselho Oleícola Internacional (COI) estimam a produção mundial total este ano em 2.3 milhões de toneladas, uma queda de um terço da produção do ano passado e o nível mais baixo desde 2000.

Notícias relacionadas

Feedback / sugestões